Pior do que ter uma #Doença, é não saber que está infectado, pois isso faz com que a moléstia se torne cada dia mais grave do que no início da mesma, e isso pode acontecer com algumas doenças sexualmente transmissíveis - DSTs.

Quando se trata das DSts, que estão atingindo números recordes de infecções nos últimos anos, qualquer sintoma faz com que as pessoas estranhem e busquem logo ajuda médica, mas acontece que algumas dessas doenças são silenciosas e nem sempre os sintomas são explícitos. De acordo com o Centers for Disease Control and Prevention, nos últimos dois anos, houve um aumento de 6% nos casos de infecções por clamídia e 13% por gonorreia.

Publicidade
Publicidade

Veja abaixo algumas DSTs que podem não manifestar sintomas e fique atento:

- Gonorreia: essa doença é transmitida pelo sexo vaginal, oral ou anal e pode causar infecções nos órgãos genitais, no reto e até na garganta. A melhor forma de prevenção é através do uso de preservativos e quando descoberta é tratada através de antibióticos.

- Clamídia: assim como a gonorreia, ela é transmitida pelo #sexo sem camisinha e traz sintomas não muito claros como ardor ao urinar. Quando a situação é muito grave pode ser necessária a realização de cirurgia.

- Herpes: essa doença pode ser causada pelo vírus tipo 1 e tipo 2. O HSV-1 é mais comum e causa feridas nos lábios, boca e face, já o HSV-2 é transmitido através das relações sexuais desprotegidas e causam feridas nos órgãos genitais. O herpes não tem cura, mas existem medicamentos que melhoram os sintomas.

Publicidade

- Vírus Papiloma Humano: esse vírus é capaz de causar lesões benignas, mas pode, em alguns casos, evoluir para um câncer, sendo o mais comum o câncer de colo de útero que atinge as mulheres. Usar camisinha nas relações sexuais pode ajudar a diminuir o risco de pegar a doença, mas não elimina a possibilidade de uma pessoa ser infectada.

Os estudos garantem a proteção de muitas doenças sexualmente transmissíveis através do uso dos preservativos, por isso, não deixe de usar e em caso de qualquer sintoma ou suspeita de infecção por alguma #DST sempre procure orientação médica para as devidas providências e tratamento. Vale lembrar também que o aconselhável é que a mulher faça, pelo menos, uma consulta anual com seu ginecologista.