Atualmente no Brasil cerca de 25% da população possui enxaqueca e as pessoas mais afetadas são as mulheres, principalmente quando estão no período fértil.

Segundo o portal G1, estudos realizados nos Estados Unidos identificaram que mulheres com enxaqueca têm um risco maior em desenvolver doenças cardiovasculares como infarto e AVC. Se elas tomam anticoncepcionais, o risco pode se tornar mais grave ainda.

Muita gente não sabe, mas a enxaqueca é uma doença neurológica e que necessita de muita atenção. Ela é caracterizada por uma disfunção cerebral e pode ser hereditária.

Veja algumas diferenças entre uma enxaqueca e uma dor de cabeça convencional:

- Enxaqueca é caracterizada por dores apenas de um lado da cabeça, intensas e que se agravam ao realizar atividades físicas, podendo provocar náusea e vômito.

Publicidade
Publicidade

Provoca também intolerância à claridade, barulho ou cheiro forte e a pessoa pode até ter distúrbios visuais.

- Já uma dor de cabeça comum, é marcada por dores nos dois lados da cabeça. Esse tipo de problema não piora com atividades físicas e não provoca náuseas e vômitos. Ela pode ser causada por cansaço, dormir mal, ficar muito tempo sem se alimentar e estresse.

Os fatores para desencadear uma enxaqueca são vários, entre eles estão: muito estresse, ansiedade, privação ou excesso de sono, dieta, álcool e mudanças hormonais.

Assim como qualquer outro problema, a doença dá sinais que está por vir, como por exemplo, mudança humor, fadiga, dificuldade de concentração, bocejos repetidos, mudança no apetite e tontura.

Ao ter os sintomas, a pessoa deve sempre procurar um médico e nunca se automedicar.

Publicidade

O diagnóstico é clínico e não há necessidade de exames. A enxaqueca é uma doença que não tem cura, mas pode ser tratada.

Além da medicação passada pelo neurologista, existem diversas outras maneiras de ajudar no tratamento, como por exemplo, dormir bem, não realizar exercícios físicos pesados, evitar alguns alimentos como chocolate, sorvete, frutas cítrica, e outros ricos em cafeína.

Alguns alimentos que ajudam a combater a dor são: cenoura, gengibre, couve, banana, cereais integrais, leite e vegetais de cor verde escura. Recomenda-se manter um diário alimentar, pois ficar muitas horas sem se alimentar está associado ao problema. #Riscos #Saúde