Um estudo científico liderado por Matthew Dupre, pesquisador da Universidade Duke, e publicado na revista “Journal of the American Heart Association” mostra que os casados estão mais seguros do que os solteirões, pelo menos quando o assunto é morte por derrame.

Não é um número para ser ignorado: tendo só as pessoas casadas como base, o risco de ter um derrame fatal de quem nunca se casou é cerca de 55% maior. Se você é divorciado ou viúvo, a regra também é válida. Os números das pessoas que se casaram pela segunda vez é cerca de 22% maior. Para os viúvos, esse aumento é de 32% na chance de ter uma morte causada pelo derrame.

Publicidade
Publicidade

Os pesquisadores entrevistaram quase 10 mil americanos de mais de 50 anos de todo o país, desde 1992 a cada dois anos.

O que é derrame?

O derrame é para o nosso cérebro o que o infarto é para o nosso coração. Nas duas situações, uma das artérias que deveria irrigar o órgão e levar nutrientes para lá, fica obstruída, sobrecarregando as suas células pela falta de oxigênio. Esse processo é conhecido como isquemia, que pode levar a pessoa à morte ou à perda do tecido. Esse evento no cérebro humano é chamado de Acidente Vascular Cerebral (#avc) e o que muitas pessoas não sabem é que o AVC é a principal causa de mortes no Brasil.

Infelizmente, as previsões indicam que o derrame continuará crescendo, podendo chegar à incrível marca de 8 milhões de vítimas fatais até 2030. No Brasil, cerca de 100 mil pessoas morrem todos os anos devido ao AVC, segundo a Organização Mundial da Saúde.

Publicidade

O derrame pode se manifestar de várias formas e nem sempre apenas em pessoas com idades mais avançadas. Os sintomas podem variar desde formigamentos até a paralisia total dos membros, tonturas e dores nas pálpebras. Alguns cuidados podem ajudar a evitar esse evento, por isso é importante manter uma dieta balanceada com prática de exercícios regulares. É preciso também prestar muita atenção à diabetes e à pressão alta, pois esses fatores aceleram esse processo.

O pesquisador Matthew Dupre da Universidade Duke, que foi o responsável pela pesquisa, disse que estudos assim auxiliam todos os provedores da área da saúde a identificar e prevenir AVCs e mortes em quem tem o maior risco. #Dicas #Doença