Conforme a epidemia causada pelo #Zika Vírus aumenta, o risco de contrair a doença por meio da #transfusão sanguínea surge como um novo protagonista. Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade do Alabama nos Estados Unidos sugere recomendações e estratégias para redução da transmissão do vírus em pacientes da ala cirúrgica.

De acordo com o estudo, a prática denominada de gestão do sangue do paciente (GSP) pode proteger o indivíduo por meio da redução do risco de transmissão desta e de outras doenças.

Desde o primeiro caso, diagnosticado em 2015 no Brasil, o vírus da Zika se espalhou rapidamente pelo continente.

Publicidade
Publicidade

Além da transmissão pelo mosquito, a transmissão sexual foi descrita pouco tempo depois. O vírus, hoje considerado transmissor da microcefalia, também causa outras má formações congênitas, bem como a síndrome de Guillain-Barré.

Afim de limitar ao máximo a transmissão da Zika durante a transfusão sanguínea, algumas estratégias vêm sendo consideradas. Quando um potencial doador é perguntado sobre viagens recentes a áreas de risco, há de se considerar também o contato sexual com indivíduos potencialmente infectados. Uma vez que 80% das infecções por Zika não apresentam sintomas, a transmissão por transfusão sanguínea é de importância significativa. Enquanto isso, os testes que fazem o uso de ácidos nucleicos, conhecidos como NAT , estão em desenvolvimento pelo FDA e não estão oficialmente disponíveis a todos.

Publicidade

Há de se considerar que a contaminação de unidades de sangue por Zika vírus é rara, entretanto não podem ser ignoradas. Em Porto Rico, 1,8% dos doadores de sangue foram positivos para Zika após a introdução do NAT.

É importante que os pacientes sejam assegurados que o risco atual de transmissão do Zika vírus é baixa. Os hospitais dos EUA têm autorização para o uso do NAT e os pacientes da cirurgia são informados e submetidos ao protocolo GSP. Os princípios e práticas deste protocolo não somente reduzem o risco de transmissão da Zika, como também de outras doenças desconhecidas. #microcefalia