Maneiras de se curar da síndrome do pânico são questões muito presentes na mente de quem enfrenta o problema. O primeiro passo para combater qualquer doença é conhecê-la.

O que é síndrome do pânico e quais seus sintomas

A psiquiatria define a síndrome do pânico como um dos muitos transtornos causados pela ansiedade. Eu diria que a ansiedade é a mãe da síndrome do pânico. A diferença maior é que a ansiedade é mais constante, mais duradoura e menos intensa. A crise de pânico parece vir do nada e é muito intensa.

Os principais sintomas de quem está tendo um ataque de pânico, são:

  • Aceleramento do batimento cardíaco;
  • Tremor;
  • Tontura;
  • Calafrios;
  • Intermitência entre a sensação de calor intenso e a sensação de frio intenso;
  • Enrijecimento dos músculos;
  • Náuseas;
  • Diarreia;
  • Dificuldade para respirar (sensação de sufocamento);
  • Sensação de que vai morrer ou enlouquecer (sensação de que se vai perder o controle).

Um ataque de pânico dura cerca de 10 a 25 minutos e, por conta da adrenalina descarregada no momento, há uma sensação de sonolência intensa depois de uma crise, que contrasta com o estado hiper vigilante em que a pessoa se coloca, por medo de nova crise.

Publicidade
Publicidade

Quem passa por isso enfrenta, não apenas os problemas acima listados, como também convive com a falta de compreensão por parte de alguns familiares e amigos. Não basta ter "força de vontade", como quem desconhece o problema costuma dizer. Quando se está nesse estágio, ajuda de quem conheça o problema é fundamental.

Um estágio depois desse é o "medo de ter medo". Nesse estágio a pessoa passa a evitar locais e situações onde teve ataques anteriores.

Como tratar

Vários são os tratamentos existentes hoje em dia.

O primeiro passo, naturalmente, é procurar um médico que faça um check-up para garantir que os sintomas acima não são sinais de outra doença.

Isso feito, um psiquiatra ou neurologista vai prescrever medicação. O mais comum é que prescreva um inibidor de recaptação de serotonina associado a um ansiolítico.

Publicidade

Um segundo passo e, talvez, o mais importante deles, é procurar um terapeuta, que pode ser um psicólogo ou um terapeuta holístico. Esses últimos profissionais irão investigar a causa da ansiedade e das crises de pânico e trabalhar, com as diferentes terapias existentes, para que a cura aconteça.

É importante salientar que, mesmo se sentindo melhor depois de algum tempo da medicação prescrita, não de se deve, em hipótese alguma, parar o tratamento por conta própria.

O médico, quando for o momento, vai proceder com um desmame (retirada da medicação aos poucos).

O importante é levar os dois tratamentos de maneira concomitante. O tratamento químico vai servir para renovar as forças e devolver a confiança, mas ele sozinho não cura a doença. O tratamento terapêutico é fundamental para que haja a cura total. #Saúde