Um enorme asteroide, descoberto somente no sábado passado (7), por cientistas do Catalina Sky Survey, programa de monitoramento na Universidade do Arizona, gerenciado pela NASA, passa próximo à Terra nesta segunda-feira (9).

Batizado de 2017 AG13, ele chega a uma distância inferior entre o nosso planeta e a lua (384.400 km), às 12h47min (GMT), segundo informações do Catalina Sky Survey, transmitidas pelo jornal britânico Express.

Embora o corpo celeste tenha tamanho equivalente à ilha de Manhattan, pesquisadores acentuam que devido a rápida e incomum velocidade do objeto, 16 quilômetros por segundo, dificilmente ele será visto.

Publicidade
Publicidade

"Juntamente com a escuridão do asteroide, essa velocidade torna muito difícil observar usando telescópios. Essa velocidade é muito rápida em relação à Terra", declara o porta-voz do telescópio robótico Slooh.

No vídeo exibido logo abaixo, o astrônomo do Slooh, Eric Edelman, demonstra espanto ao constatar a intensa velocidade, aproximação e tamanho do 2017 AG13.

"Isto está se movendo muito rápido e muito próximo a nós. A rocha fora do espaço está realmente se movendo a 16 quilômetros por segundo em relação à nossa referência da Terra. Seu tamanho é de cerca de 20 quilômetros. Isso é um pouco menor do que Manhattan”, comenta na gravação.

Paul Cox, que também é cientista do telescópio Slooh, salienta no Twitter a proximidade do asteroide com a Terra.

Num comentário proferido por ele no microblog, no domingo (8), Cox diz estar no aeroporto de Toronto à espera do avião para o Chile, onde o asteroide será melhor analisado.

Publicidade

Ele ainda ressalta a necessidade do constante monitoramento das rochas espaciais.

“Lembrando-nos por que é importante controlar estas rochas espaciais!”, escreve no Twitter.

A recente descoberta de um astro de gigantescas proporções, como o 2017 AG13, demonstra a fragilidade das agências de todo o mundo, que sequer conseguem notar uma rocha de 20 km com tempo suficiente para que medidas efetivas sejam acionadas, em caso de colisão.

Ao que parece, estamos a mercê da própria sorte.

#Mídia #Curiosidades #Internet