“Eu conversava com ele, mesmo estando em coma. Independente de estar sedado, é um corpo humano e não um objeto”, conta Fabíola Tanabe sobre o cuidado que teve com um de seus pacientes, que por sinal, se recuperou bem.

Recém-formada, a enfermeira de 22 anos conta que sempre faz questão de sempre colocar em prática o seu lado mais humano, por mais complicada que seja a situação. Ela defende a importância de humanizar a relação na área da saúde, indo além de procedimentos técnicos e colocando o #Amor em ação.

Com esse tipo de cuidado, diversos casos marcaram a trajetória da jovem, e um dos principais foi quando ela fez questão de aplicar medicação para dor em uma criança que estava morrendo.

Publicidade
Publicidade

“Eu participei de uma forma que dei um conforto nos últimos minutos dela”, desabafa Fabíola, completando que a paciente sorriu em seu momento final.

Atualmente, ela é residente na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Universitário da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), na capital paulista, e faz especialização nesse setor. “Eu acredito que o enfermeiro de UTI é o guardião do paciente”, conclui ela, explicando gostar dessa área justamente pela aproximação que ocorre, e que para ela, enfermagem é a ciência do cuidado.

Ajuda ao próximo

Em um mundo em que muitas pessoas exercem as suas profissões pensando apenas no salário no fim do mês, é bom saber que existem pessoas como a Fabíola, que colocam o amor ao próximo em ação e se preocupam em fazer sempre o melhor.

Porém, não precisamos ser apenas profissionais da saúde para levarmos um pouco de amor e #solidariedade para quem precisa.

Publicidade

Em nosso dia a dia, quantas vezes não nos deparamos com alguém precisando de algum tipo de ajuda?! Muitas vezes, um sorriso pode mudar o dia de alguém.

Em meio a correria e a tanta agressividade que vemos por aí, acabamos nos esquecendo de colocar em ação um dos sentimentos mais básicos: a caridade. Ficamos tão egoístas imersos em nossos próprios problemas que não pensamos em quem muitas vezes daria tudo para ter um terço do que temos.

Se cada um de nós prestasse algum tipo de ajuda, teríamos um mundo muito mais repleto de amor e bons pensamentos.

Por mais pessoas que façam como a Fabíola, que tentem levar amor sem distinção! #vida