A febre amarela está de volta e já matou mais de 100 pessoas no Brasil. Esse surto vem acontecendo desde dezembro do ano passado, quando 796 primatas foram afetados por 276 epizootias (nome que designa doença que ataca os animais). Dessas 276 epizootias, 92 foram confirmadas como febre amarela. A maior ocorrência é em Minas Gerais, com 68 mortes; Espirito Santo, com 17 mortes e São Paulo, com 7 mortes de macacos. Esse número é mais que o dobro das ocorrências de julho de 2014.

O que mais preocupa é a morte de espécies que estão ameaçadas de extinção. De acordo com o pesquisador da Universidade Federal do Espirito Santo, Sérgio Lucena, as mortes de macacos são muito maiores do que as que são registradas.

Publicidade
Publicidade

Ele estima milhares de mortes.

De acordo com o pesquisador, as mortes que são registradas são as de macacos que são encontrados nas partes periféricas da mata, mas não dos macacos que morrem na parte interna da mata.

Até o momento no Espirito Santo, a maioria dos corpos de macacos mortos encontrados são das espécies búgios e sauás. Espécies que estão em extinção no Brasil.

" A situação é muito alarmante. Trabalho há mais de 30 anos com isso e nunca imaginei que viveríamos algo parecido", afirma Sérgio Lucena.

Febre amarela

A febre amarela, assim como a dengue, zika e chikungunya, é transmitida por um mosquito comum na África e na América do Sul. Apesar de ser uma doença rara, a febre amarela está em surto novamente na região sudeste do #Brasil.

Em casos normais, a febre amarela provoca febre, dor de cabela, náusea e vômitos.

Publicidade

Em casos mais graves, podem gerar problemas cardíacos, renais e hepáticos fatais.

Ao sentir os sintomas, a pessoa deve se dirigir imediatamente para o hospital para ser diagnosticada pelo médico, pois essa doença não tem cura, mas pode ser evitada através da vacinação.

No momento, o governo do estado só permitiu a vacinação para as pessoas que moram em áreas de risco ou que vão viajar para essas áreas.

O governo reforça que as pessoas que não moram em áreas de riscos e também não vão viajar, não tomem a vacina, deixando-as para pessoas que realmente necessitam dela. #2017 #Saúde