A #Corrida é a modalidade de atividade física mais acessível que existe. Pode ser praticada a qualquer hora e lugar, sozinho ou acompanhado, ao ar livre ou na esteira. Como se isso não bastasse, tem ainda uma característica definitiva: é de graça. Por ser assim tão democrática essa modalidade esportiva está conquistando cada vez mais adeptos.

Esse bichinho da corrida é tão poderoso que conquista até mesmo os adeptos da calmaria e sedentarismo. A maioria das pessoas que começa a correr diz que não consegue parar. Existe uma explicação científica para isso. “Tecnicamente o que acontece com o corpo durante a corrida é a liberação de alguns hormônios” explica Henrique Alves, Personal Trainer especialista em emagrecimento & Life Coaching .

Publicidade
Publicidade

“O mais conhecido é a endorfina, que tem efeito analgésico e causa a sensação de tranquilidade e relaxamento após a corrida”, completa.

Endorfina e socialização

Segundo Henrique, outro fator que contribui para o vício da corrida é a socialização. Fazer parte de um grupo de corrida é muito gratificante, promovendo um sentimento de pertencimento e elevando a auto estima.

E tem mais, estudos feitos por neurocientistas em animais comprovaram que durante a corrida ou outros exercícios aeróbicos, o cérebro produz novas células no hipocampo, a sede da nossa memória. Segundo a neurocientista americana, Karen Postal, presidente da Academia Americana de Neuropsicologia Clínica, pessoas que se exercitam com regularidade tem 50% menos chance de desenvolver demência. Portanto, quando alguém diz que após a corrida se sente muito mais apto para realizar tarefas intelectuais, acredite.

Publicidade

Evitar lesões

Qualquer pessoa, de qualquer idade, pode praticar a corrida, mas é preciso estar atento a alguns cuidados. A primeira medida é consultar o seu médico e avaliar suas condições físicas. “Um plano que organize sua progressão de distância e velocidade é muito importante para evitar lesões por sobrecarga indevida”, explica o personal. “As lesões mais comuns são no tornozelo, joelho e quadril”, diz.

Esse planejamento e o devido acompanhamento de um professor de educação física registrado no CREF, um personal trainer ou uma assessoria de corrida também vai evitar frustrações. “Se a pessoa treina sempre da mesma maneira, sem evolução ou meta a ser alcançada acaba desmotivando e, consequentemente, vai abandonar a prática”, afirma.

Segundo a organização mundial da #Saúde, para adultos entre 18 e 64 anos, recomenda-se 150 minutos de atividade aeróbia moderada ou 75 minutos de atividade aeróbia intensa semanal. Indica ainda intercalar exercícios de fortalecimento muscular duas ou mais vezes por semana.

Publicidade

No entanto, cuidado com o bichinho da corrida, pois ele pode fazer você esquecer de descansar. “O repouso é tão importante quanto o treino”, ressalta Henrique. “Os músculos e tendões precisam de uma pausa para se recuperar”, diz. “A última peça desse quebra cabeça é uma boa alimentação, que irá fornecer energia durante o treino e também para a recuperação após a atividade”, finaliza Henrique Alves. #Esporte