Estamos chegando na estação mais quente do ano, onde as chuvas também se fazem presentes, e a preocupação é com a proliferação do Aedes aegypti, o mosquito que transmite a Dengue, Chikungunya e a Zika. Como ainda não há uma vacina contra este vírus, a única forma de combater é eliminando o mosquito, mantendo os ambientes externos livres de objetos que possam proporcionar ‘criadouro’, como pneus, garrafas e vasos com água parada. O controle da população é o maior aliado nesta luta, e a informação precisa ser transmitida a todos para que estejam conscientes que a vigilância é necessária.

Entre os meses de janeiro e setembro, foram registrados no Brasil mais de 1,4 milhão de casos de doenças causadas pelo vírus, onde 72.048 casos foram apenas na região Sul.

Publicidade
Publicidade

Casos avançam no estado do Paraná e, de acordo com o boletim epidemiológico da SESA, em agosto deste ano foram confirmados 616 casos de infectados. É importante ressaltar que em 2015 o Paraná teve 56.351 casos de dengue com 61 mortes. Foram 30 municípios afetados e 12 declararam situação de epidemia na ocasião.

Lixo

O descarte incorreto de produtos químicos, proveniente de indústrias e lixo hospitalar, além de trazer riscos à saúde, podem comprometer seriamente o meio ambiente, mas não devemos pensar que apenas estes produtos sejam nocivos. O crescimento da reciclagem através da coleta seletiva, compostagem e cooperativas, tem contribuído com a diminuição destes acúmulos, e ainda geram emprego e renda, porém o ser humano em suas diversas atividades, produzem lixo em grande quantidade, e o percentual desta seleção ainda não é significativo.

Publicidade

Lixo ‘jogado’ ao céu aberto, sem qualquer medida de proteção, favorece a infestação de roedores, insetos e muito mau cheiro, proporcionando risco de doenças graves, assim como a contaminação da água através do lençol freático, lagos e rios da região. É preciso ficar sempre atento, pois este lixo também entope os bueiros das cidades, aumentando muito a ocorrência de enchentes.

Eliminação de criadouros

Até mesmo aquele vasinho de planta pode se tornar um criadouro. Agentes Comunitários de Endemias fazem visitas constantes em bairros onde existe incidência do mosquito, e intensificam o trabalho no #verão, onde o ambiente é propício à proliferação. Porém, não devemos depender das visitas dos agentes para começar o combate contra o mosquito.

Algumas ações devem ser tomadas imediatamente pela população. Você pode conferir algumas dicas: #aedes aegypti #Combate mosquito

  • Locais que acumulam água como caixas d’água, aquários e piscinas devem ser cobertos e tratados corretamente
  • Areia nos vasos de plantas evitam criadouros
  • Proteger os ralos da casa com redinhas e colocar desinfetante frequentemente
  • Mantenha as calhas da casa livre de folhas que possam obstruir os canos e formar pequenas poças