O anticoncepcional é um processo contraceptivo muito comum no mundo feminino, porém, alguns deles podem oferecer grandes problemas para a #Saúde feminina. Ele pode trazer modificações nada benéficas para o corpo feminino, além de não ser totalmente eficiente contra a gravidez indesejada.

Foi divulgada, nessa segunda-feira, pela a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), uma declaração determinando a interrupção do anticoncepcional Sistema Essure, registrado pela empresa Commed Produtos Hospitalares, produzido pelo grupo alemão Bayer. A explicação fornecida pelo órgão do governo, conforme relatórios técnico-científicos revelaram que o método contraceptivo pode “gerar dor crônica, gravidez indesejada, hipersensibilidade, alterações no sangramento menstrual, reações do tipo imune, irritabilidade, migração do dispositivo e perfuração” e, por isso, foi considerado como de risco máximo para a saúde feminina.

Publicidade
Publicidade

Com a decisão de que a distribuição, comercialização e importação do produto devem ser suspensas em todo território nacional.

Proibição

O anticonceptivo produzido em forma de uma pequena mola é submergido através do órgão sexual feminino, até atingir às trombas da #Mulher. Quando, enfim, esse primeiro procedimento é realizado, o Essure forma uma barreira natural que evita que os espermatozoides alcancem os óvulos, e assim, impeça uma possível gestação. A promessa do produto é de esterilizar a mulher, de forma semelhante à laqueadura, porém, sem cirurgia, sem alterar os hormônios e nem o ciclo menstrual feminino.

De acordo com os desenvolvedores do produto, estudos clínicos certificaram que, em aproximadamente cinco anos de estudo, nenhum relato de gravidez indesejada foi registrado com o uso do contraceptivo e, em seis meses, nenhuma abertura do implante foi relatado.

Publicidade

Mas, no portal oficial do Essure, se encontra um alerta em destaque avisando que algumas mulheres podem sofrer com “eventos adversos” idênticos aos que a Anvisa descreve. Em alguns países, como Estados Unidos e França, usuárias que recorreram ao procedimento também contaram ter apresentado alguns efeitos colaterais semelhantes após a aplicação.

A resposta

A assessoria de imprensa do produto divulgou um comunicado dizendo que os desenvolvedores do produto estão estudando para, finalmente, entender os verdadeiros motivos que levaram à suspensão do produto, porém, ainda não teve nenhuma resposta sobre o assunto.

É importante lembrar que, ante de recorrer a qualquer tipo de medicamento, é necessário buscar auxílio de um médico, pois só ele poderá prescrever qual anticoncepcional mais se acomoda a cada situação e organismo.