As mulheres gostam da ideia mais facilmente, até porque elas possuem o instinto materno que está associado com a perpetuação da espécie. Homens, por mais avessos que pareçam, relutam por muito tempo até que a maturidade chegue com força e o mesmo desejo de constituir família, ou simplesmente perpetuar a espécie apareça.

Não importa quão avesso você seja ao #Casamento, o fato é que a ciência é enfática em dizer que casar faz bem à #Saúde.

Quando você divide sua vida com alguém, há os inconvenientes de dividir opiniões e brigar por conceitos, mas é irrefutável o fato de que isso melhora seu sistema cardiovascular. Por outro lado, quem é divorciado ou viúvo, tende a apresentar mais doenças cardíacas.

Publicidade
Publicidade

Será esse o motivo do símbolo do amor ser um coração?

Pesquisa científica

Se você é avesso ao casamento, deve estar nesse momento dizendo “que besteira” para a informação apresentada, entretanto, esse é o resultado de uma pesquisa feita com quase 4 milhões de americanos, nos Estados Unidos e apresentados em Washington, durante um congresso.

Os resultados não estão aí para que alguém se case, mas para que saibamos que há associação entre casamento e saúde, afirma o responsável pela pesquisa, o cardiologista Carlos Alviar da Universidade de New York.

As chances de desenvolver doenças cardiovasculares é 5% menor para quem é casado do que para quem é viúvo, divorciado ou não está comprometido.

Ainda como resultado da pesquisa, efetivamente os divorciados e viúvos têm mais chances de desenvolver doença coronariana, AVC, aneurismas e doenças vasculares do que os grupos dos comprometidos.

Publicidade

O estado civil então é responsável esse tipo de problema de saúde? Parcialmente. Outros fatores, como obesidade, fumo, diabetes, pressão alta e sedentarismo também estão altamente relacionados a esses mesmos problemas de saúde, é o que diz Suzanne Steibaum, do hospital Lenox Hill em New York.

Porque o casamento ajuda

As pessoas casadas ou seriamente comprometidas com outras, tendem a dividir, compartilhar e ajudar os parceiros (assim como ser ajudado) e, portanto, acabam por se alimentar melhor, fazer mais exercícios, liberar serotonina e tomar as medicações que precisam (quando precisam).

É interessante notar que casais na casa dos 50 anos, apareceram na pesquisa com 12% menos chances de doenças do que os solteiros.

Esse percentual reduz com o passar dos anos, mas sempre se mantém maior para os casados do que para os outros grupos.

#Relacionamento