Apesar de, geralmente, cientistas serem contra ressuscitar espécies extintas, sobretudo pré-históricas, um grupo de pesquisadores independentes de Harvard anunciaram que eles estão tentando fazer exatamente isso com o famoso mamute-lanoso.

A equipe declarou suas intenções de trazer esses "monstros" da megafauna de volta dos mortos no encontro anual da Associação Americana para o Avanço da #Ciência (AAAS) em Boston esta semana. Eles explicaram que o objetivo é usar o CRISPR, uma popular ferramenta de edição de genes, para produzir "embriões de elefante-mamute".

O processo

Conforme relatado pelo jornal britânico The Guardian, a equipe está essencialmente no estágio celular, onde eles estão experimentando várias combinações de elefantes e genes de mamutes.

Publicidade
Publicidade

Os embriões ainda não foram criados, mas, de acordo com a liderança do projeto, eles estão apenas a dois anos de serem cultivados com sucesso.

No entanto, ainda seria "muitos anos" até que qualquer um destes #Animais sejam gerados, ou mesmo nascendo, capazes de crescer até se tornarem adultos. Isso significa que, quando totalmente cultivados, esses animais não serão verdadeiros mamutes, mas sim, híbridos - essencialmente muito peludos, semelhantes a elefantes cheio de cabelos, isso se os embriões forem baseados em variedades de alta latitude. Os hipotéticos mamutes têm sido temporariamente apelidados de "mamufantes" por alguns, devido a mistura.

Com base nos genes sendo pareados e alternados, eles podem parecer mais com elefantes do que com seus primos extintos, mas também teriam orelhas menores, uma camada substancial de gordura subcutânea e sangue frio adaptado ao clima.

Publicidade

Isso sugere que eles seriam "alojados" em climas do norte, como nos velhos tempos.

Ainda assim, apesar de não ser o "produto verdadeiro", é certamente um bom começo para a Pliocene Park. Se esta loucura for realmente bem-sucedida, a humanidade terá "trazido de volta" uma criatura cujos antepassados ​​foram vistos pela última vez há muitos milhares de anos.

A fim de transformar com sucesso um desses embriões em um "mamufante" de tamanho completo, a equipe nota que eles iriam crescer dentro de um útero artificial, em vez de colocá-lo em um elefante feminino como mãe de aluguel. Atualmente, este método geralmente não é testado e certamente não comprovado, mas eles esperam seguir em frente com o projeto de um modo que não coloque em risco as espécies de elefante ameaçadas.

Preocupações éticas

Este projeto levantou algumas preocupações éticas, particularmente daqueles que não pensam que nós devemos apressar-se para introduzir uma criatura maciça de volta aos ambientes modernos. É justo dizer que é profundamente incerto como os animais atuais reagirão ao ver "mamufantes" andando pelas florestas.

Ainda assim, a ideia de que os cientistas estão chegando a esse nível de expertise biotecnológica é indubitavelmente intrigante. O que acha disso? Será o próximo passo tentar trazer dinossauros de volta à existência? #Natureza