Uma universidade na Inglaterra está pagando o preço por um erro cometido durante um estudo sobre os efeitos da cafeína no corpo humano. O experimento foi realizado pelo departamento de Vida e #Saúde da Universidade de Northumbria, em março de 2015, e tinha como objetivo testar os efeitos da cafeína durante exercícios físicos.

Como parte do experimento, dois homens deveriam beber uma solução de suco de laranja, água e pó de cafeína e o erro ocorreu na hora de calcular a quantidade de cafeína em pó. O cálculo foi realizado na calculadora de um smartphone, causando um erro no ponto decimal.

Os dois participantes receberam uma dose de 30.7 e 32 gramas, respectivamente, ao invés de receberem 0,3 grama, cada.

Publicidade
Publicidade

O teor de cafeína nos cafés comercializados é de, em média, 0,1 grama e já houve casos de pessoas que morreram, ao ingerirem cerca de 18 gramas de cafeína.

Logo após tomarem a solução, os jovens estudantes de ciências esportivas sofreram efeitos colaterais violentos, incluindo tontura, visão turva, tremores e aumento dos batimentos cardíacos. A dupla foi logo atendida por uma equipe médica e ficou internada na UTI por vários dias, sendo necessário o tratamento com diálise. Esse tipo de tratamento costuma ser administrado em pacientes com problemas nas funções renais e é usado na remoção de impurezas e de excesso de água no sangue.

A Universidade de Northumbria declarou que estava “profunda e genuinamente arrependida” pelo acontecimento e precisou pagar £400.000,00 (R$1.347.000,00) aos estudantes, como compensação pela "desagradável" e “perigosa” experiência.

Publicidade

Os dois jovens sofreram perda de peso após o incidente e um deles reportou perda de memória temporária, mas felizmente, eles já estão recuperados e não apresentaram danos permanentes.

Nos últimos anos, houve um grande aumento no consumo de cafeína em pó como estimulante mental e físico e esse tipo de acontecimento serve para lembrar dos danos que a substância pode causar no organismo, apesar de ser a droga psicoativa mais aclamada mundialmente. #Ciência