A febre amarela é uma #Doença transmitida por mosquitos e causada por um vírus que pode ser considerado perigoso, tendo em vista que aproximadamente 48% das pessoas que a contraíram nos últimos 16 anos não resistiram aos sintomas.

No caso da febre amarela urbana, a transmissão ocorre através do Aedes aegypti, que também é o transmissor da dengue, zika e chikungunya. Por outro lado, a febre amarela silvestre é transmitida por mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes.

Na última sexta-feira (03), a Organização Mundial da #Saúde (OMS) fez um alerta com relação ao risco da doença se espalhar para países que fazem fronteira com áreas afetadas no Brasil como, por exemplo, o Paraguai, que faz divisa com o Mato Grosso do Sul.

Publicidade
Publicidade

Também pode ser apontada a Venezuela que faz fronteira com Roraima, além da Argentina, próximo ao Paraná.

De acordo com o boletim da OMS, os estados brasileiros afetados que fazem fronteira com outros países "representam um risco de circulação do vírus, sobretudo nas áreas com o mesmo ecossistema". Além disso, há o risco de que outros estados brasileiros também possam ser afetados, espalhando a doença ainda mais. "Espera-se que casos adicionais sejam detectados em outros estados do Brasil devido ao movimento interno de pessoas e de macacos infectados, além do baixo nível de cobertura vacinal em áreas que antes não estavam em risco de transmissão de febre amarela".

Casos

Em virtude da doença no país, 60 mortes já foram confirmadas desde dezembro do ano passado. De acordo com o último balanço da OMS, 161 casos foram confirmados neste ano nos estados de Minas Gerais, Espírito Santo e São Paulo.

Publicidade

Porém, outras localidades também estão com casos sob suspeita da doença, como Bahia, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás.

A vacina

A vacinação é a principal forma de prevenção e devido ao grande surto da doença, com ocorrência principalmente em Minas Gerais, houve um aumento na procura da vacina em postos de saúde em vários estados do país. Porém, alguns especialistas orientam que apenas as pessoas que vivem (ou irão viajar para) em áreas de risco devem tomá-la, em virtude de possíveis efeitos colaterais. #Febreamarela