De acordo com inúmeros estudos publicados, as pessoas casadas seriam mais felizes. Uma destas pesquisas porém, já sinalizava que a "fórmula" não era bem assim. Publicado em 2012, o resultado da #pesquisa realizada por psicólogos da Universidade do Estado de Michigan (EUA) apontava que, quando o assunto é #Felicidade, o investimento é de longo prazo. Ainda assim, a maior parte dos estudiosos sempre insistiram em afirmar que sim, o casamento, com dinheiro e filhos seria o segredo da felicidade.

Contrariando grande número de colegas, Dan Gilbert, pesquisador da Universidade de Harvard, diz que não e que, para ele, a receita é infalível.

Publicidade
Publicidade

Gilbert, que publica livros de autoajuda, profere palestras e dá cursos de "coaching", compara a capacidade de adaptação do ser humano com o sistema imunológico que protege o corpo de doenças.

Em palestra proferida no Centro Cultural Caixaforum, na Espanha, cujos ingressos estavam esgotados com 15 dias de antecedência, Dan começa sua apresentação exemplificando com histórias reais. Ele cita, por exemplo, Ronald Wayne, que com Steve Jobs e Steve Wozniak criou a Apple. Wayne desistiu da sociedade, por não acreditar em seu sucesso, e vendeu suas ações por 800 dólares. Hoje, valeriam US$ 62 bilhões. Engenheiro aposentado, Wayne diz jamais ter se arrependido da decisão.

Outro famoso caso citado na palestra é Pete Best, ex-baterista dos Beatles, que saiu da banda em 1962, ou seja, antes do sucesso.

Publicidade

Best, que continuou a carreira musical em Liverpool, se declara feliz com seu estilo de vida.

Qual a receita, afinal?

Dan Gilbert não diz exatamente como ser feliz, mas porque as pessoas não sabem o que as fará felizes: "os seres humanos subvalorizam sua própria resiliência. Não percebem como será fácil mudar a sua visão do mundo caso aconteça algo ruim. Supervalorizam o quanto serão infelizes diante de uma adversidade". O psicólogo afirma que 75% das pessoas se recuperam em dois anos, por pior que seja o trauma sofrido.

O embasamento de Dan é feito em pesquisas que são publicadas nas mais renomadas revistas científicas. Na Science, por exemplo, foi publicado um de seus estudos, que consistia em um aplicativo para celular que perguntava às pessoas como estavam se sentindo, o que estavam fazendo e se estavam pensando em algo diferente do que estavam fazendo naquele momento. Participaram 5 mil pessoas de 83 países. Os resultados demonstraram que a maioria pensava sempre em outra coisa e, o que foi chamado de "mente errante", era o que tornava estas pessoas infelizes.

Publicidade

Os mitos da felicidade

Em suas palestras, Dan derruba mitos. "O dinheiro não compra felicidade? Sim, ele compra. Não existe nenhum estudo que mostre que um euro a mais faça diminuir a felicidade".

Outro pressuposto da receita para ser feliz, o casamento, também entra neste rol. Segundo ele, as pessoas casadas são mais felizes, mas "o divórcio implica um adicional de alegria".

A conclusão de Dan Gilbert é que as quatro atividades que trazem mais felicidade são gratuitas: fazer sexo, fazer exercícios, ouvir música e conversar.

E o especialista dá um último conselho: "Investir em experiências é melhor do que investir em coisas materiais". #psicologia