A #Menstruação faz parte da vida de toda #Mulher, mas cada uma passa por esse período mensal de um jeito. Algumas mulheres sofrem muito com os sintomas que podem advir desse período, como fortes cólicas, mudança do humor, além de ter sangramento intenso. Visto esse sofrimento mensal, muitas mulheres procuram uma opção para interromper a menstruação e se livrar desse incômodo.

Segundo o ginecologista Gustavo de Paula Ferreira, essa decisão exige uma atenção da mulher e a busca por um médico ginecologista, visto que será preciso usar hormônios, que sempre tem seus riscos e eventual contra-indicação. Se a decisão da mulher, após as orientações médicas, for a de interromper a menstruação, aí será a hora de escolher o melhor método a ser implantado.

Publicidade
Publicidade

Veja os médicos mais usados segundo o ginecologista:

- DIU hormonal: o DIU é um dispositivo intrauterino que é colocado no útero da mulher e tem a função de liberar todos os dias certa dose de hormônio no organismo feminino para que ela não engravide. Ele tem a validade de 5 anos e a menstruação pode ficar sem descer por até um ano após a implantação. Alguns efeitos indesejados que algumas mulheres reclamam é que podem ocorrer pequenos sangramentos intermitentes ou mesmo constantemente, além de sensibilidade nas mamas, espinhas, inchaços e dor de cabeça.

- Injeção de progesterona: essa é outra opção para não se menstruar. A injeção é aplicada de três em três meses e em mais da metade dos casos, a mulher pode ficar sem menstruar por até 2 anos. Assim como o DIU pode causar sangramentos, além de fazer com que a mulher ganhe peso.

Publicidade

No caso da injeção, a mulher deve saber que após interromper o seu uso, ela levará mais tempo, do que com outro método, para ter a sua fertilidade de volta, esse tempo pode aumentar em 4 meses.

- Pílula de uso contínuo: muitas mulheres usam as pílulas de uso contínuo, diário, para suspender a menstruação mensal, emendando uma cartela na outra. Assim como os outros métodos, pode ocorrer sangramento intermitente, além de sensibilidade nas mamas e dor de cabeça. A vantagem é que o uso pode ser interrompido a qualquer momento.

- Implante subcutâneo: nesse método, um pequeno bastão semi-rígido, que contém hormônio é colocado no braço da mulher e ele vai liberando pequenas doses de hormônio diariamente. A validade do implante é de 3 anos. Alguns efeitos indesejáveis que podem ocorrer são os sangramentos irregulares, acnes, diminuição do desejo sexual e dor de cabeça. Sua inserção na pele, como a sua retirada, se faz através do uso de anestesia local.

Vale lembrar que todos esses métodos são #Anticoncepcionais e a amenorreia, falta da menstruação, é um dos efeitos secundários, e que pode não ocorrer em todos os casos. Por isso, é muito importante, antes de tomar qualquer decisão, que a mulher consulte o seu ginecologista para ver qual o método mais indicado para o seu caso.