O período do pós-parto abrange o tempo que vai da eliminação da placenta até a próxima vez em que a mulher ovula. É um período em que a ex-gestante se recupera física e psicologicamente depois dos desafios da gravidez. Entre os desafios que muitas mulheres precisam enfrentar nesta fase (e quanto mais cientes deles elas e seus próximos estiverem, melhor) estão os seguintes:

1 - Baby Blues

Baby blues é uma expressão do idioma inglês que se refere a um sentimento de leve tristeza, que a maioria das mulheres sente logo depois do nascimento do bebê. É um estado que costuma misturar ansiedade e inseguranças e é amplificado pela queda no nível de hormônios depois que a gravidez acaba.

Publicidade
Publicidade

Segundo Vera Iaconelli, psicanalista que fundou e dirige o Instituto Gerar e é doutora em Psicologia pela USP, a mulher pode aproveitar a oportunidade para se voltar para si mesma e encarar madura e saudavelmente as alterações promovidas em sua vida pela #Maternidade. É preciso, contudo, diz a profissional de saúde mental, distinguir Baby Blues da depressão pós-parto, um problema mais grave. Sintomas como pensamentos de cometer violência contra si mesma ou contra a criança, sofrimento psicológico extremo e problemas para comer ou dormir devem levá-la a buscar um profissional de saúde.

2 - Muito cansaço

O parto em si mesmo é um acontecimento cansativo para a mulher e cirurgias, como a cesariana, exigem muito do organismo. Junte-se a isto o esforço de cuidar do bebê e se torna fácil compreender que a mulher se sinta muitas vezes esgotada.

Publicidade

Saber pedir ajuda é essencial.

3 - Sentimentos confusos

Vera Iaconelli diz que é tabu dizer isso, porque as expectativas que as pessoas têm da maternidade são pouco realistas, mas a mãe pode se sentir confusa e estranhar o bebê no começo. Os laços entre mãe e filho vão se construindo à medida que o tempo passa - como, aliás, acontece com qualquer relação humana.

4 - As visitas

A curiosidade das visitas de ver como estão a mamãe e o bebê é compreensível e sua preocupação e com a saúde deles e as boas intenções, que levam a dar conselhos, são louváveis. Infelizmente, receber visitas em um período de cansaço e recuperação e ficar ouvindo palpites, inclusive muitos que não interessam nada e alguns que são até mutuamente contraditórios, são #coisas chatíssimas, para dizer o mínimo.

É preciso ter paciência e manter a calma, mas se realmente estiver se sentindo indisposta no começo do pós-parto, o melhor é que a mulher seja sincera com seus próximos, para que se possa criar um modo de lidar com a situação. A adaptação do bebê ao mundo fora do ventre e o restabelecimento da mãe devem ser as prioridades máximas neste período.