O poetinha Vinicius de Moraes, que cantou e decantou o amor, aconselhou em determinado momento de sua vida o seguinte: "amai, porque nada melhor para a saúde que um amor correspondido"; entretanto, não é só poesia e sentimentos que garantem a manutenção da saúde física literal de um indivíduo, independentemente do sexo. Se faz necessário, por exemplo, que o ser humano se alimente adequadamente, tenha horas com qualidade de sono, lazer nos momentos livres e que se submeta com frequência a uma série de #exames preventivos contra as doenças que normalmente acometem as pessoas. Por outro lado, por uma série de razões, em muitas ocasiões, por exemplo, as mulheres de vários países não se submetem aos exames rotineiros, os quais poderiam evitar uma série de transtornos e patologias com diagnósticos rápidos.

Publicidade
Publicidade

No ápice das doenças que acometem as mulheres, aparecem os casos ginecológicos, que, nos países desenvolvidos, as consultas e exames corriqueiros começam a ser realizados desde a tenra infância ou quando as meninas apresentam os primeiros indícios de que estão atingindo a puberdade, para daí ter continuidade até a terceira idade.

A situação fica mais complexa quando a pessoa do sexo feminino começa a desempenhar a sua vida sexual, pois é justamente a partir dessa realidade que as consultas e avaliações com um #Médico #ginecologista deveriam, no mínimo, ter uma agenda anual. A doutora Carolina Vicente Banzoli, que atua como médica ginecologista em uma rede de clínicas, defende a tese de que o verdadeiro clínico de uma mulher é o seu médico ginecologista, o qual na maioria das vezes é o responsável em diagnosticar patologias de caráter crônico, tais como: HAS (hipertensão arterial sistêmica), diabetes, dislipidemia (alto índice de colesterol) e inúmeras outras doenças.

Publicidade

Alguns exames ginecológicos que as mulheres precisam fazer

Em regra geral, no transcurso de uma consulta de rotina, é apropriado que o profissional de medicina execute a anamnese em relação a sua paciente, com questionamentos específicos e direcionados ao histórico da existência da pessoa; se a mesma já sofreu de alguma doença específica ou se fez algum processo cirúrgico anterior ao início do período das consultas. A partir do momento em que o ginecologista passa a ter conhecimento preliminar da saúde da mulher, o 2° passo no processo é constituído de exames físicos durante o ato da consulta, que geralmente se constituem em:·

  • Exame clínico na região do abdome, inspecionando e apalpando a área;
  • O mesmo procedimento acima, só que na área da mama;
  • Avaliação do aparelho genital feminino externamente, verificando se há alguma lesão na vulva;·
  • O ginecologista se utiliza do exame especular para analisar o estado em que se encontra a vagina e o colo uterino;·
  • A parte final dos exames no consultório médico é feita com o toque na vagina, momento em que o médico avalia o calibre do útero e também se há a presença de eventuais anomalias nos dois ovários.

O médico ginecologista no 3° estágio do diagnóstico deve requerer uma bateria de exames, que auxiliam na identificação de eventuais patologias femininas.

Publicidade

Alguns desses exames complementares do diagnóstico são: papanicolau, mamografia, ultrassonografia da pélvis e das mamas, colposcopia e vulvoscopia, glicemia de jejum, colesterol e triglicérides, TSH e T4L, sangue oculto nas fezes, eletrocardiograma, densitometria óssea e algum outro mais específico caso o médico julgue necessário.