Arqueólogos da Universidade Nacional de Seul, na Coreia do Sul, realizaram uma #pesquisa na qual sugerem que o local que atualmente corresponde ao território do #Deserto do Saara, o maior deserto mundo, antecedentemente era coberto por uma vegetação verde e o solo possuía umidade.

A região se transformou em um enorme deserto em virtude da ação de humanos antigos, que com o desenvolvimento da agricultura esgotaram as plantas do local, de acordo com informações contidas no documento divulgado pela equipe de arqueólogos responsáveis pelo estudo. Há muito tempo, a #Ciência já sabe que o Deserto do Saara era antes um lugar predominado pelo verde das plantas, mas em torno de 6.000 anos atrás, o deserto surgiu em consequência das chuvas terem parado de cair naquele território.

Publicidade
Publicidade

A ciência, já a alguns anos vem buscando conhecer a causa exata das mudanças meteorológicas, pois de acordo com cientistas, estas informações seriam de grande importância para compreender a história climática da Terra, assim como, entender a evolução da civilização humana que habitava aquelas terras.

No ano de 1997, o arqueólogo David Wright realizou uma pesquisa sobre a região do Saara, e concluiu que as alterações ocorreram de forma natural devido ao deslocamento das geleiras e até os dias de hoje. Essa sugestão é reconhecida como a de maior aceitação. Segundo Wright, as plantas não participam apenas da geração de oxigênio, elas também são grandes responsáveis pelo resfriamento da Terra, conforme a vegetação foi desaparecendo, a quantidade de luz solar refletida pela superfície terrestre foi aumentando consideravelmente, o efeito estufa foi causando uma diminuição na precipitação da região, e cada vez mais, a vegetação foi se deteriorando.

Publicidade

Com as terras ficando cada vez mais impróprias para o cultivo, os humanos antigos foram embora do local, indo até o Egito e a Suméria, o que deu início a formação das pioneiras civilizações complexas. O arqueólogo Wright ainda pretende dar continuidade a sua investigação, analisando a região abaixo do deserto com o intuito de encontrar indícios de vegetações, lagos, e também de ação de humanos.