Um estudo publicado no Jornal de Neurologia dos Estados Unidos (Neurology journal - USA), examinou se a presença de distúrbios respiratórios do sono (DRS) está associada a um surgimento precoce da perda de memória ou do início da doença de Alzheimer, em participantes da Iniciativa de Neuroimagem da Doença de Alzheimer (Alzheimers Disease Neuroimaging Initiative - ADNI). Foi analisado também, se o uso da pressão positiva contínua em vias aéreas (#CPAP) está associado com o retardo na evolução do declínio cognitivo e perda de memória.

Os distúrbios respiratórios do #Sono têm como característica uma alteração do padrão respiratório durante o sono com significativos e frequentes episódios de ronco e obstrução da via aérea.

Publicidade
Publicidade

Esses distúrbios têm uma alta prevalência em idosos, afetando cerca de 52,6% dos homens e 26,3% das mulheres.

Foram analisadas 2470 pessoas, com idade entre 55 e 90 anos de idade e em seguida divididos em grupos através de critérios rigorosos e de forma escalonada. Os pacientes do grupo não tratado, mas com diagnóstico de distúrbio respiratório do sono, tinham a idade menor do que os pacientes do grupo não tratado, mas sem distúrbio do sono, no início do comprometimento cognitivo e dos sintomas de demência. Em uma análise de resultados combinados, pacientes do grupo não tratado e com distúrbio respiratório do sono tiveram uma idade menor quando iniciou o comprometimento cognitivo em relação ao grupo que fez uso de pressão positiva contínua (CPAP) no tratamento dos distúrbios, esse último apresentou um maior tempo para o surgimento do declínio cognitivo, como os sinais de demência, ou seja, o uso do CPAP pode retardar o surgimento desses sinais e sintomas.

Publicidade

De acordo com o coordenador da pesquisa, o Dr. Ricardo Osorio, professor assistente de pesquisa de psiquiatria na Universidade de Nova York para a Saúde do Cérebro (New York University for Brain Health), as hipóteses mostraram que a presença de distúrbio respiratório do sono está associada com o início mais cedo do declínio cognitivo. E em relação ao grupo que fez uso de pressão positiva contínua (CPAP) para tratamento dos distúrbios respiratórios do sono houve um retardo no surgimento do declínio cognitivo e dos sintomas de demência. Esses dados ganham maior notoriedade já que muitos idosos têm problemas de apneia do sono, a terapia com pressão positiva (CPAP) poderá ajudar a impedir ou atrasar a perda de memória ou outros problemas cognitivos. #fisioterapia