Uma #Doença rara tomou conta da vida de uma jovem de 21 anos. Abby Solomon convive desde que nasceu com a falta de apetite. Ela nunca sente fome e nunca teve prazer em querer comer alguma coisa. A moça sofre da síndrome progeroide neonatal, que inibe a produção de um hormônio chamado asprosin. Esse hormônio é o responsável por estimular o apetite. Sem ele, a pessoa não tem vontade de se alimentar.

Solomon, mesmo não tendo vontade de comer nada, sempre carrega consigo barras de cereais ou qualquer outro alimento, pois a qualquer momento ela pode desmaiar por falta de glicose. A moça ingere, no seu dia a dia, apenas metade das calorias necessárias para uma pessoa de sua idade.

Publicidade
Publicidade

De acordo com ela, comer, sempre foi um pesadelo em sua vida. Basta apenas umas mordidas que já vem uma sensação de saciedade.

Outro fator negativo dessa doença, além da falta de apetite, é o envelhecimento precoce. Abby aparenta ser bem mais velha do que os 21 anos que possui. Mesmo diante de tantos problemas, a jovem é um caso raro de sobrevivência, pois dificilmente uma pessoa consegue chegar a fase adulta quando se tem esse tipo de síndrome.

Esperança

Um grupo de cientistas está vendo, nesta doença rara da americana Abby, algo que pode revolucionar a medicina. Segundo eles, é de extrema importância o estudo e a compreensão dessa mutação para a busca por um tratamento mais correto e eficiente contra a #obesidade. Serão feitas várias pesquisas.

Obesidade no Brasil

O número de pessoas obesas e que ganharam peso nos últimos meses tem aumentado muito no Brasil.

Publicidade

As mulheres são mais sujeitas a esses problemas e há uma tendência de crescimento entre as crianças.

De acordo com o levantamento da Organização das Naçoes Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), mais da metade da população brasileira está com sobrepeso e a obesidade já atinge 20% das pessoas adultas.

Esse panorama acendeu um alerta para que algo seja feito tanto pela sociedade quanto pelo governo. Com a obesidade em alta, mais problemas de #Saúde surgem e são necessárias campanhas de prevenção.