Se você tem cão ou gato em sua casa e mantém contato muito próximo deles, cuidado com o que vai ler neste artigo. Uma espécie de micose, que pode atingir em cheio os amigos felinos - e, como consequência, ser transmitida aos humanos - , está se alastrando pelo país.

A doença chama-se esporotricose e pode até matar, se as lesões não forem tratadas a tempo. A doença é provocada por um fungo, que vive no solo, e é transmitida aos #Gatos, cães e às pessoas próximas, através de arranhões. Os gatos são mais propensos ao problema do que os cachorros, mas não se sabe ao certo o verdadeiro motivo.

Um gato com lesões pode ter o mortal fungo em suas unhas e, se o bicho brigar com outro gato, perseguir um rato, ou até mesmo brigar com um cachorro, este poderá transmitir o fungo por meio das unhas.

Publicidade
Publicidade

Desde julho de 2013, o estado do Rio de Janeiro tomou medidas protetivas contra a doença, devido ao alto número de casos registrados. Foram 5 mil casos de pessoas contaminadas por esporotricose, através de seus gatos de estimação.

Em 2015, foram contabilizados, 4703 casos, mas, em 2016, o número quadruplicou, saltando para alarmantes 13.536, o que mobilizou o governo do estado para tentar erradicar a doença. Já em seres humanos, foram registrados 580 casos da doença.

As lesões nos cães e nas pessoas não são tão severas quanto nos felinos. Por isso, os cães e seus donos não correm risco de morte iminente. No caso dos gatos, a doença tem cura, mas o tratamento é muito caro e o processo é bastante demorado.

A proliferação da doença é mais comum em animais de periferia, pelas péssimas condições de higiene e ausência de saneamento básico.

Publicidade

O fungo que se encontra nas lesões destrói progressivamente a pele do animal, até chegar nos ossos, e pode até atingir os órgãos internos do bichinho, provocando a morte prematura, se não for tratado a tempo. O governo faz campanhas para a prevenção, mas, infelizmente, as pessoas precisam se conscientizar sobre o assunto e evitar contato muito íntimo com os felinos. #Ciência #Saúde