É fato que muitas mulheres acabam alimentando uma série de dúvidas e entendimentos errôneos no que diz respeito a continuar tomando a pílula anticoncepcional ou ainda interromper o seu consumo, mesmo que temporariamente. Então, de fato, qual é a melhor opção a ser adotada pela #Mulher no quesito saúde e, basicamente, na questão de se contornar uma gestação indesejada? Vale frisar que um grande número de representantes do sexo feminino diz notar que o organismo se transforma imediatamente assim que a #Pílula é tomada. Algumas mulheres engordam, outras perdem peso, podem adquirir problemas cutâneos, como acne ou até adquirir a temida celulite.

Publicidade
Publicidade

O consumo dia a dia do anticoncepcional é válido para se evitar a gravidez e é aconselhável ainda para controlar os hormônios femininos. Algo que é comum as mulheres que tomam a pílula por diversos anos, com ou sem pausas entre uma cartela e outra, é que elas não percebem mais os efeitos colaterais causados pelo medicamento.

É muito importante deixar claro que quando as mulheres interrompem o consumo do anticoncepcional, há a probabilidade de ocorrer consequências geralmente comuns a todas elas, o que é algo que independe do biotipo de cada pessoa ou mesmo do tipo de fármaco proposto pelo médico assistente.

Obviamente o 1° resultado mais esperado quando a pessoa não toma o anticoncepcional, conforme descrito pela revista norte-americana "Health", especializada em saúde, é que ocorra uma gravidez não planejada.

Publicidade

Tanto é assim que aproximadamente 20% das mulheres que interrompem o remédio tendem a ficar grávidas imediatamente no ato do 1° ciclo menstrual após cessarem de tomar o remédio.

É notório que a #Medicina diz que a pílula geralmente estimula o ganho de peso; entretanto, a interrupção na ingestão da mesma não significa que a mulher emagrece, de acordo com resultados de estudo conduzido pela Health em 2014.

Por outro lado, não pode deixar de se frisar que a interrupção do consumo de um anticoncepcional qualquer acarreta na maior lubrificação vaginal, na diminuição do comportamento ansiogênico e o grau da libido também sofre alterações perceptíveis nas mulheres, ou seja, essas são as melhores manifestações; todavia, como mencionado anteriormente, ocorrem também sintomas nem um pouco bem vindos, tais como: o surgimento de transtornos na pele, possível queda branda dos cabelos; excesso de sangramento e das cólicas menstruais.

A publicação Health esclarece que, em termos físicos, a mulher ainda tem a chance de perceber diferenças estruturais mínimas na área dos seios, em função da alteração do nível da progesterona, provocando terríveis cefaleias e a eventual diminuição de vitamina D no organismo.