Quando o Zika Vírus apareceu na América do Sul, mulheres grávidas eram o grupo de maior risco de #Saúde ao contrair a #Doença através da picada do mosquito Aedes aegypti. E, com a proliferação da doença, vieram grandes pesquisas que determinaram que o vírus também poderia ser transmitido sexualmente.

Agora, um novo estudo sugere que o Zika também pode impactar homens que tenham sido infectados e que poderia potencialmente causar infertilidade e até mesmo atrofia ou encolhimento testicular. Acredita-se que a transmissão através do mosquito ainda seja a principal forma que o vírus é transmitido, porém, o fato dele também poder persistir no sêmen do homem infectado, por pelo menos seis meses após a infecção, é preocupante para as organizações de saúde pública que trabalham para conter a doença.

Publicidade
Publicidade

O novo estudo focou no impacto que o #Zika Vírus exerce em ratos infectados por um determinado período de tempo, e confirmou que mesmo após 21 dias sem sinal de infecção no sangue, o vírus ainda se replicava nas células testiculares.

Pesquisadores descobriram que o vírus persistiu especialmente em uma área específica dos testículos, chamada epidídimo, que é responsável por transportar o esperma dos testículos até a uretra, confirmando a hipótese de que o vírus pode ser transmitido do homem para a mulher. Em adição, também foi descoberto que após 21 dias após a infecção, os testículos dos ratos apresentaram diminuição significante de tamanho, sendo constatada a atrofia testicular, que pode causar grande impacto na fertilidade dos infectados.

Apesar da grande crise inicial causada pelo Zika ter sido oficialmente controlada, isso não significa que o mesmo tenha sido contido.

Publicidade

Muitos profissionais de saúde continuam a trabalhar arduamente em busca de novas formas de identificar, testar e manufaturar uma vacina eficiente para o vírus.

O entendimento da maneira como o vírus afeta o organismo é de vital importância para definir a forma como as organizações mundiais de saúde devem proceder para conter e eventualmente erradicar a doença.