Mais um anúncio da #Nasa agitou a comunidade científica na tarde desta quinta-feira (13). Após anunciar, em fevereiro deste ano, a descoberta de sete exoplanetas de características muito semelhantes as da Terra em um sistema solar à cerca de 39,5 anos-luz de nós, dos quais pelo menos três continham condições de abrigar vida extraterrestre, a agência espacial norte-americana anunciou, na tarde de hoje, que um dos 62 satélites naturais do planeta Saturno, a lua Enceladus, pode conter vida extraterrestre.

Os dados que levaram a NASA a concluir que Enceladus pudesse conter vida são da sonda Cassini, responsável por explorar Saturno e suas luas.

Publicidade
Publicidade

Enceladus possui uma superfície coberta de gelo, o que a princípio, não faz dela uma candidata muito forte a vida extraterrestre. Abaixo desta camada de gelo, no entanto, existem mares líquidos. Segundo os cientistas, as forças gravitacionais do planeta Saturno mantém a água em estado líquido abaixo da superfície gelada.

Para concluir a existência de água em estado líquido abaixo da camada de gelo que cobre Enceladus, os cientistas constataram a existência de jatos que expelem hidrogênio através da superfície desta lua. Após descartar outras possibilidades, os cientistas concluíram que este hidrogênio só podia ser resultado de uma interação entre água e rochas quentes sob a superfície.

Mas existem outros elementos, além da água, que possuem papel importante na formação da vida no espaço.

Publicidade

A sonda Cassini encontrou também evidências da presença de moléculas de metano e de dióxido de carbono em Enceladus.

Dados indicam que existem reações químicas acontecendo nos mares deste satélite natural de Saturno. Aparentemente, Enceladus pode ter todos os ingredientes necessários ao surgimento de formas de vida, segundo declarou o astrofísico Thomas Zurbuchen, em comunicado oficial da NASA.

Os cientistas da agência espacial norte-americana estão animados com a possibilidade de haver vida em Enceladus, porém nem todas as evidências são positivas: o fato de tanto hidrogênio estar sendo expelido através da superfície talvez indique que nenhuma forma de vida esteja fazendo uso deste elemento.

Em setembro, a sonda Cassini, que foi lançada em 1997, entrará na atmosfera do planeta Saturno, terminando assim sua jornada de exploração do planeta e seus satélites. A sonda levou 7 anos apenas para chegar à órbita de Saturno. #2017 #Ciência