Quem nunca parou para pensar e simplesmente surgiu essa dúvida na mente. Será que existe alguma forma de vida em algum lugar do #Universo? Pois bem, com o avanço da tecnologia cada vez mais rápida, a resposta para essa pergunta poderá surgir em breve, pelo fato que cada vez mais estão descobrindo algo novo no nosso quintal espacial.

Publicado na revista científica Nature, cientistas disseram que o exoplaneta rochoso chamado GJ 1132b localizado na constelação de Vela, a 39 anos-luz de distância, que por sua vez é aproximadamente 16% maior do que a Terra, está encoberto por uma camada gasosa de metano, água ou uma mistura de ambas as matérias.

Publicidade
Publicidade

Para essa pesquisa foi preciso a equipe de astrônomos utilizar o telescópio europeu ESO/MPG de 2,2 metros no Chile para observar as imagens da passagem do #planeta em sua estrela e medir a redução de intensidade de luz. Com esse estudo, conseguiram verificar a absorção da luz e determinar a existência de uma atmosfera.

Em publicação na revista Astronomical Journal, astrônomos disseram que “embora isto ainda não seja uma descoberta de vida em outro planeta, esta detecção representa um passo significativo na direção correta, já que é a primeira vez que se descobre uma atmosfera ao redor de um exoplaneta com uma massa e um raio iguais aos do nosso planeta.“

John Southworth, pesquisador da Keele University, da Grã-Bretanha, diz que a temperatura mais alta que a vida pode suportar é 120 °C. Sendo assim, é improvável que o exoplaneta seja habitado por alguma forma de vida, recebendo 19 vezes mais radiação estelar do que a Terra.

Publicidade

Os cálculos apresentam que a temperatura em sua superfície ultrapassa 250 °C.

“O exoplaneta é um pouco maior e significativamente mais quente do que a Terra, então uma possibilidade é que ele seja um ‘mundo de água’ com uma atmosfera de vapor quente”, acrescenta.

O exoplaneta GJ 1132b, que se parece muito com Vênus, foi descoberto em 2015 pelo Projeto MEarth no Chile, orbitando a estrela anã vermelha chamado GJ 1132. É um dos mais importantes a ser descoberto por estar relativamente perto - existem possibilidades para o analisar com algum pormenor, usando, por exemplo, o famoso telescópio Hubble.

Os cientistas na época disseram que “os telescópios futuros serão capazes de observar a composição e a dinâmica da atmosfera planetária, a velocidade de seus ventos e da cor de seus pores de sol.”

E aí, gostou dessa novidade? Deixe sua opinião nos comentários sobre essa descoberta. #Astronomia