Pesquisadores da Universidade de São Paulo (#USP) divulgaram, nesta semana, um estudo que aponta a existência de compostos bioativos na casca do #amendoim. Esses compostos inibem a ação de enzimas que estão diretamente ligadas à absorção de carboidratos e gorduras. Na prática, isso significa que o produto pode ajudar na prevenção de problemas como o diabetes e a obesidade.

A pesquisa resulta de um estudo realizado pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, por meio do Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia dos Alimentos.

Os estudos do autor da pesquisa, o cientista de alimentos Adriano Costa de Camargo, indicam que os subprodutos da indústria processadora de amendoim e uva podem conter muitos compostos bioativos, que neutralizam a ação de radicais livres, ou seja, são antioxidantes.

Publicidade
Publicidade

"Os radicais livres causam danos no DNA, que podem levar a modificações genéticas e progredir para um câncer, por exemplo”, justifica. Ainda de acordo com Camargo, os radicais livres podem oferecer danos ao colesterol LDL, considerado o "colesterol ruim". Isso acaba desencadeando processos inflamatórios e formando placas nas aartérias, levando a danos de infartos.

Mas, aonde entra a ação da pele do amendoim?

Quando as pessoas ingerem alimentos com açúcares e gorduras, é preciso quebrar as moléculas gerando outras moléculas menores, que podem ser absorvidas e usadas pelo organismo.

No caso, os compostos que estão na pele do amendoim ajudam a quebrar as moléculas, ajudando a reduzir os carboidratos e gorduras. "Neste caso, a diminuição da absorção de açúcares e gorduras pode ser benéfica para o gerenciamento e prevenção da diabete e da obesidade, respectivamente”, explica o pesquisador.

Publicidade

.

O cientista da USP acredita que, assim como já acontece com as farinhas de semente e de casca de uva, será possível usar a pele de amendoim de forma "isolada", como suplemento alimentar e ação funcional.

Quando fazia mestrado, o pesquisador participou de um estudo em que a pele de amendoim foi adicionada ao processo de confecção de cookies. As guloseimas foram testadas em humanos, que tiveram como resultados a ampliação de compostos antioxidantes, maior teor de fibras e maior retenção da umidade, garantindo maior frescor ao produto.

Alimento funcional

Se as propriedades da casca do amendoim ainda são uma novidade, o uso do alimento descascado tem sido cada vez mais difundido entre pessoas que praticam exercícios físicos e fazem dietas.

Isso porque já foi comprovada a ação desse alimento como importante aliado no emagrecimento e no controle do apetite.Segundo a nutricionista Vanderli Marchiori, de São Paulo, o consumo de amendoim, desde que seja muito mastigado, ativa o centro cerebral que controla a saciedade, fazendo com que a fome demore mais para aparecer.

Publicidade

Pesquisas realizadas com roedores, tanto na Universidade Federal do Espírito Santo como na Universidade Federal de Lavras constataram que o alimento ajudou a controlar o peso e a acelerar o metabolismo.

Em pesquisas com seres humanos, houve a comprovação que pessoas com peso normal deixavam de recorrer a petiscos, entre uma refeição e outra, após a ingestão de amendoim #alimento funcional