O cordão umbilical transporta anticorpos, oxigênio e nutrientes da corrente sanguínea da mãe para a corrente sanguínea do bebê. Ele é a ligação física entre o bebê e a mãe durante a gestação.

É por esse motivo que, entre as boas e ótimas práticas de um parto humanizado, o recomendado é que quem estiver fazendo o parto espere por mais ou menos 3 minutos antes de cortar o elo que existe entre a mãe e o bebê, com exceção de casos específicos ou de casos de doença da mãe.

Existe benefício nessa espera

O obstetra Rubens Paulo Gonçalves Filho diz que essa técnica aumenta a quantidade de hemoglobinas, glóbulos vermelhos e ferritina, o que diminui muito as chances de o bebê ter anemia nos 3 primeiros meses de vida e vários outros problemas de desenvolvimento que podem aparecer em uma criança.

Publicidade
Publicidade

Segundo o profissional, o bebê passa a ter um funcionamento mais adequado logo nas primeiras horas de vida por ter recebido uma quantidade significativa de sangue.

Rubens Paulo ainda explica que esse pequeno tempo de espera de 3 minutos é capaz de garantir ao bebê cerca de 80 a 100 ml de sangue transportado da placenta para o ele. É exatamente isso que aumentará os níveis de substâncias importantíssimas para o recém-nascido. O obstetra afirma que isso não provoca nenhum tipo de risco para a mãe.

Risco de icterícia compensa

Mesmo havendo números cada vez maiores de evidências a respeito dos benefícios provocados pelo simples fato de se atrasar o corte do cordão umbilical, existem alguns estudos afirmando que o fato do bebê nascer com uma quantidade maior de sangue é algo que pode aumentar as chances do bebê sofrer com icterícia.

Publicidade

Porém, para o obstetra, essa espera é muito compensadora e o quadro revelado no estudo não é preocupante.

O profissional argumenta que o tratamento contra a icterícia é feito através do método de fototerapia, ou seja, o popular banho de luz após o nascimento da criança. De acordo com o médico, geralmente, são prescritos até dois dias de fototerapia.

Entretanto, o tempo de tratamento dependerá exclusivamente de como será a icterícia. Se ela for acentuada, o tempo de tratamento será um pouco mais elevado.

Embora exista este risco, o parto humanizado tem se popularizado cada vez mais. Ela se deve ao fato dos benefícios dessa prática superar em muito os riscos do bebê desenvolver a icterícia.

As mães parecem ver a possibilidade de protegerem os filhos contra os temidos riscos de anemia nos primeiros meses de vida com certo deslumbre, já que nesse processo os bebês recebem diversos nutrientes que podem melhorar o seu desenvolvimento. #Parto humanizado #Os benefícios do parto humanizado #Os riscos do parto humanizado