É corriqueiro que os parceiros vejam no #sexo oral uma prática sexual sem riscos para a saúde, especialmente em relação à possibilidade de não contrair ou transmitir alguma doença sexualmente transmissível. Com isso, buscam garantir uma atividade sexual prazerosa e de forma considerada segura por eles, mas pode vir cercado de mitos que os induzam a convicções erradas.

Especialistas apontam estudos que provam que a prática do sexo oral sem os devidos cuidados tem probabilidade imensa de causar danos à saúde dos parceiros, que podem contrair #Doenças durante o ato. Conforme especialistas em saúde sexual ouvidos pelo site BBC Mundo, existem alguns mitos mais populares sobre o sexo oral, que são:

A boca não é meio de contrair doenças de transmissão sexual

Porém, trata-se de uma afirmação totalmente errada, uma vez que se pode contrair varias doenças por esse meio.

Publicidade
Publicidade

Pode-se citar casos de transmissão de herpes genital e gonorreia pela via oral em que o casal contaminado tinha certeza que não corria risco algum por não estarem fazendo sexo vagina ou anal.

Não é necessário usar proteção no sexo oral

Essa é outra afirmação totalmente equivocada. Caso os parceiros não tiverem feito exames que descartem doenças, se torna necessário e imprescindível que utilizem métodos de proteção. Os médicos ouvidos aconselham que, ao receberem ou fazerem sexo oral, devem fazer a utilização de preservativo, devido às mucosas serem áreas de fácil proliferação de infecções, evitando, dessa maneira, situações indesejadas, como serem pegos de surpresa por uma DST.

É prudente informar que se pode contrair também, ainda que com menor risco, o vírus HIV, caso exista alguma lesão na mucosa da boca, por exemplo.

Publicidade

Se o pênis não ejacular dentro da vagina ou anus não existe perigo de serem contaminados

Essa crença também não é verídica, afirma o médico Mariano Roselló Gayá. Ele explica que, por mais que o risco diminua de forma considerável, sempre haverá risco, pois o líquido pré-ejaculatório tem potencial imenso de contágio e em menor proporção pode também engravidar . A prevenção ideal que deve ser tomada pelos parceiros é com o uso de camisinha.

Diante de todos esses alertas expostos, é necessário que as pessoas sejam cada vez mais prudentes perante as escolhas na hora de se relacionarem com os parceiros, como forma de manter uma relação harmônica, saudável e prazerosa.