Quem iria imaginar que algo tão comum e corriqueiro como um #Espirro iria causar tanto transtorno? Uma australiana passou por sérios apuros por conta de um simples espirro, dado há mais de sete anos, mas que ainda incomoda a jovem. Na primeira vez, em 2012, em uma manhã, Monique Jeffrey, na época com 28 anos, verificava seus e-mails quando acabou espirrando e sofrendo uma fratura em duas vértebras da coluna cervical, a C1 e a C2.

Sua cabeça perdeu totalmente o apoio e ela se viu obrigada a ligar para o marido, já que estava em companhia apenas do bebê do casal. Socorrida por uma ambulância, a jovem teve uma recuperação considerada normal e depois de usar um colar cervical por mais de três meses, retomou seus afazeres cotidianos.

Publicidade
Publicidade

Isso até o mês passado, já que um novo episódio insólito aconteceu na vida da australiana.

Em um dia normal de trabalho, Monique sentiu os efeitos de um forte torcicolo e sua situação acabou virando motivo de piada entre seus colegas de trabalho. Em uma das brincadeiras, feita por um dos seus amigos, ela deu uma forte gargalhada, pendeu a cabeça para traz e teve uma nova fratura, nas mesmas vértebras lesionadas anteriormente. Ou seja, em cinco anos, ela conseguiu quebrar o próprio pescoço duas vezes.

Já calejada pelo incidente anterior, mesmo sem conseguir manter a cabeça erguida, ela manteve a calma e foi novamente atendida, e dessa vez, foi necessário usar um outro dispositivo, que parafusado à sua cabeça, impede totalmente os movimentos e possibilita o processo de calcificação das vértebras.

Publicidade

Médicos temem que fraturas se repitam

Diante dos dois acidentes, os médicos temem que a jovem australiana volte a passar por esse tipo de problema e já indicaram que estão estudando a realização de um procedimento que prevê que as duas vértebras sejam unidas, para assim evitar novas fraturas. Monique também terá que realizar um rígido programa fisioterápico para fortalecer a musculatura do pescoço, assim que a fratura atual se consolidar.

Todas essas medidas visam que ela possa voltar a ter uma vida normal. Os especialistas que cuidaram do caso afirmam que nunca presenciaram nada parecido.

O mais curioso e irônico da situação dramática vivida pela mulher é que, por ocasião da segunda fratura, ela estava rindo do próprio pescoço. A história ganhou repercussão mundial e tem sido um assunto muito comentado nas redes sociais, além de ganhar bastante destaque na mídia internacional, já que casos de repetido azar como esse são raros e bastante incomuns. #mulheres