A Cannabis, apesar de ser uma droga ilegal, tem sua utilização em tratamento de inúmeras doenças com resultado positivo. Em paralelo ao debate sobre a legalização de seu uso, cresce também o número de pesquisas a respeito do potencial médico de substâncias curativas presentes nessa planta tão controversa.

A polêmica que gira em torno do uso do #Canabidiol em medicamentos é que possa causar dependência, como acontece com a maconha. Segundo os estudos, somente o princípio THC apresenta os malefícios da droga, podendo causar distúrbios e dependência. Já o principio conhecido como CBD ou canabidiol, e que foi liberado, não causa dependência, vício ou sedação.

Publicidade
Publicidade

Só esta apto a prescrever o medicamento se for: neurologistas, neurocirurgiões e psiquiatras, e seguir rigorosas regras específicas para sua indicação.

Em casos que o uso de THC Tetraidrocanabinol for necessário, é feita uma dosagem em spray do canabidiol, para dificultar os efeitos negativos da droga. #Saúde

Conheça algumas das doenças que podem utilizar a maconha como tratamento

  • Controle de convulsões em crianças e adolescentes portadores de quadros neurológicos graves, com crises epilépticas de difícil controle por medicamentos já padronizados. O CBD tem a capacidade de diminuir a atividade química e elétrica do cérebro, fazendo com que os sintomas convulsivos das doenças diminuam significativamente.
  • Num estudo duplo-cego, 24 pessoas fumantes indicados aleatoriamente para receber um inalador de CBD ou placebo, onde inalavam sempre que tivessem vontade de fumar um cigarro. Durante uma semana, os que inalaram o kit com placebo não observaram nenhuma alteração no número total de cigarros consumidos, já os que usaram o kit com CBD tiveram uma diminuição de quase 40% no consumo de cigarros. Os que inalram o kit com CBD não aumentou o desejo pelo consumo de nicotina provando que o canabidiol tem grande importância na técnica de remoção do cigarro de fumantes.
  • Acne também pode ter o uso de CBD indicado, pesquisadores usaram cannabidiol sobre as glândulas sebáceas humanas e concluíram que o CBD atua de modo eficaz na diminuição da produção de sebo no organismo e agindo como um anti-inflamatório tolhendo a síntese lipídica.
  • Pesquisas realizadas com ratos diabéticos não obesos usando o CDB. Mesmo não havendo efeito do canabidiol diretamente sobre os níveis de glicose, o uso preveniu a produção de IL-12 pelos esplenócitos. Fato importante, pois essa citocina causas problemas em doenças auto-imunes.
  • O CBD causou efeitos promissores no tratamento da fibromialgia. O uso de CBD em 23 dos 56 participantes, enquanto a outros 23 usaram métodos tradicionais para tratar a fibromialgia. Os que se trataram com cannabis sentiram redução em seus sintomas e dores, enquanto o que utilizaram medicação tradicional não houve melhoria.
  • Pacientes com transtorno de estresse pós-traumático encontram um grande alívio usando canabidiol, por ser ansiolítico e ter efeitos anti-inflamatórios, pois os benefícios antipsicóticos proporcionam um ambiente mental estável.
  • Em 2012, pesquisadores alemães publicaram um estudo na revista Translational Psychiatry . O potente antipsicótico Amisulpride e CBD foram comparados entre 42 pacientes com esquizofrenia. Os dois tratamentos foram avaliados ativos e eficazes, mas CBD teve menos efeitos colaterais.
  • THC e CBD interatuam com o aparelho que controla a função intestinal no corpo, os dois componentes tem capacidade anti-inflamatória, trazendo alívio para aqueles que os pacientes que sofrem de Doença de Crohn.
  • Cientistas do Instituto Cajal concluíram que CBD tem a potencial capacidade de reduzir vários aspectos da Esclerose Múltipla, na #pesquisa usaram de modelo ratos, e com 10 dias de tratamento com CBD, estes ratos se mostraram com maiores habilidades motoras e mostraram progressão na sua condição.