Poucos lugares parecem tão pouco ameaçadores quanto a cama. Nela, as pessoas surfam na internet, veem TV, leem livros, fazem sexo, dormem e sonham. Comparadas com os riscos evidentes que as pessoas correm fora de casa, no trânsito, por exemplo, ou em um cômodo como a cozinha, lidando com facas e fogo, as experiências que as pessoas geralmente têm em seus leitos são agradáveis e destituídas de perigo – ou pelo menos parecem ser.

A verdade é que nos colchões das camas se escondem várias ameaças à #Saúde das pessoas. Elas costumam ser ignoradas ou subestimadas pela maioria dos indivíduos. A seguir, estão listadas quatro delas:

1 - Bactérias e vírus

Recomenda-se comprar um colchão novo a cada sete anos. Os colchões velhos podem abrigar vírus e bactérias, entre os quais estafilococos, enterococos e norovírus.

Publicidade
Publicidade

Algumas das bactérias encontradas nos colchões velhos são resistentes a antibióticos, o que aumenta a ameaça que representam para suas vítimas.

2 - Mofo

O mofo gosta do ambiente escuro da parte de baixo do colchão, especialmente se combinado com a umidade do ar frio que se condensa na região. Esporos do mofo podem causar, entre outros males, ataques asmáticos e dores de cabeça. Para prevenir o surgimento do mofo, o colchão deve ser mantido seco e ser arejado com regularidade. Caso seja encontrado mofo no colchão, ele terá que ser trocado.

3 - Ácaro

Um colchão comum pode abrigar entre centenas de milhares e 1,5 milhão de ácaros. Esses pequenos seres prosperam no ambiente quente e úmido do colchão e alimentam-se da pele morta que cai do #Corpo das pessoas.

Embora para a maior parte das pessoas eles não representem risco, alguns indivíduos são alérgicos às fezes deles.

Publicidade

Os asmáticos em especial podem ter problemas para respirar nas proximidades desses seres. Aspirar o colchão com um aspirador de filtro tipo HEPA (alta eficiência na separação de partículas) com regularidade ajuda a reduzir a presença deles.

4 - Substâncias químicas

Deixando de lado um pouco os #perigos biológicos e concentrando a atenção nas ameaças químicas, é bom lembrar que muitos colchões atuais são fabricados com revestimento ignífugo, ou seja, antifogo. Embora isso seja uma grande ajuda para prevenir incêndios, muitas das substâncias usadas nesses revestimentos têm efeitos nocivos à saúde, podendo, por exemplo, em certas pessoas, causar alergias.

Há suspeitas de que algumas dessas substâncias possam também estimular o surgimento do câncer. Sabe-se que uma das substâncias que costumam ser usadas nesses revestimentos, o formaldeído, pode causar dor no peito e tosse.