Estudos recentes divulgados pelo portal BBC afirmam que foi mais precisamente o local, e não o tamanho do asteroide, que deu fim aos dinossauros, há cerca de 66 milhões de anos.

Segundo estes estudos, o objeto ''não poderia ter caído em um local pior''. Este lugar fica na Península do Iucatã, no México. A cratera, resquício do impacto, é chamada de Chicxulub. O tamanho do asteroide - que media cerca de 15 km - neste caso, não teve responsabilidade direta pela extinção dos dinossauros, tampouco o impacto do objeto no globo, ou a energia liberada pela explosão, segundo explica do biólogo Ben Garrod, apresentador do programa ''The Day The Dinosaurs Died'' (ou ''O Dia em que os Dinossauros Morreram'', em tradução livre).

Publicidade
Publicidade

Isso significa que, se o asteroide tivesse caído em qualquer outro lugar do planeta, talvez estes animais pré-históricos tivessem uma chance de sobreviver. Segundo os estudos divulgados pela BBC, se o objeto tivesse atingido o planeta apenas alguns momentos antes, poderia ter se chocado com uma parte mais profunda do oceano, o que também poderia ter dado aos dinossauros uma chance de sobreviver.

O asteroide produziu uma cratera de 100 km de extensão no Golfo do México. Por ter caído em uma área relativamente rasa do mar, a profundidade desta cratera chegou a 30 km na crosta de nosso planeta, onde o choque com as rochas liberou inacreditáveis quantidades de enxofre em nossa atmosfera.

Publicidade

Caso o objeto tivesse caído em uma parte mais funda do oceano, menos rochas teriam sido vaporizadas, e a quantidade de enxofre lançada à atmosfera seria menor.

Como os gases de enxofre são extremamente densos, além de tóxicos, o impacto causou o que os cientistas chamam de ''inverno global''. Esta condição ocorre em razão de cinzas e gases que se acumulam na atmosfera do planeta, obscurecendo a luz solar e causando a diminuição da temperatura do globo.

''Em uma Terra escura e fria, era mais difícil para os dinossauros encontrarem comida'', explica Garrod. ''Os alimentos nos oceanos acabaram dentro de uma semana, e em terra firme, a cadeia alimentar foi interrompida.''

Portanto, os dinossauros que não pereceram no impacto do asteroide, foram vítimas do resfriamento radical do planeta, e da falta de comida decorrente do mesmo.

Publicidade

Hoje em dia, os pesquisadores já tem uma noção da escala de energia que foi liberada pelo impacto nesta ocasião: uma energia equivalente a cerca de 10 bjilhões de bombas atômicas de Hiroshima. Fósseis encontrados recentemente em uma pedreira em New Jersey (EUA) revelam também que a extinção dos dinossauros foi um evento ''instantâneo''; este animais foram extintos em questão de dias, semanas ou talvez até meses, e não de maneira lenta, em milhares ou centenas de milhares de anos. Cerca de 25 mil fragmentos de fósseis foram encontrados no local, sugerindo uma morte de dinossauros em massa, pouco tempo após o impacto do asteroide. #Curiosidades #Ciência #Mundo