Os transplantes de membros de corpos são hoje muito realizados. São fundamental em alguns casos para que a vida do paciente possa prosseguir. Os transplantes mais conhecidos mundialmente e mais comuns são: de pulmão, fígado e coração.

Porém, o médico italiano Sergio Canavero pretende fazer ainda este ano uma das mais polêmicas cirurgias, o #transplante de cabeça. Mesmo com tanto avança na medicina, há algumas doenças ou problemas de saúde que ela não consegue responder.

O médico quer fazer com que as pessoas que sofrem com doenças degenerativas tenham a possibilidade de ter uma vida normal, com um corpo saudável, realizando o transplante de cabeça.

Publicidade
Publicidade

Apesar de haver inúmeras controvérsias referentes ao procedimento, Canavero confirma que a técnica em que será aplicada ao transplante poderá beneficiar os pacientes debilitados, incluindo o famoso físico Stephen Hawking, que sofre de esclerose lateral amiotrófica, o que o impede de se mover e de falar.

A nova cirurgia tem grandes perigos, sendo necessário todo o cuidado e conhecimento para a sua realização. Calcula-se que será necessário a presença e o auxílio de 150 médicos e enfermeiros simultaneamente ao longo de 36 horas de cirurgia.

O médico responsável pelo provável transplante relata que será necessário realizar um pré-operatório, sendo necessário o congelamento do corpo do paciente para que as suas células sejam preservadas. Enquanto isso, o cérebro do paciente teria seu sangue drenado, havendo uma substituição por uma solução cirúrgica.

Publicidade

Até o momento, a cirurgia tem custo estimado de R$ 42 milhões.

Após ser realizado o pré-operatório, o passo seguinte seria separar a cabeça do paciente do atual corpo e conectar ao seu novo corpo. Porém, o corte da medula espinhal exige certa força e muita precisão, sendo utilizado um bisturi de diamantes.

Ao reconectar as partes do corpo, os médicos utilizarão polietilenoglicol, que a função parecida como uma cola. Os experimentos com esse medicamento foram realizados em um cachorro, restaurando sua espinha. A cirurgia obteve sucesso, fazendo com que o animal pudesse correr normalmente após o procedimento.

Pós-operatório

Depois da operação, os médicos irão observar a medula espinhal e ver como será a recuperação do paciente no período de 12 horas, para observar sua condição neurofisiológica. Os médicos afirmam que se tudo der certo, o cérebro não rejeitará o transplante, assim como pode acontecer em qualquer órgão.

O paciente também será induzido ao coma durante 12 meses para que haja uma total recuperação de suas células. Caso o paciente consiga passar por tudo isso, o ultimo feito seria a dependência de fisioterapeutas competentes e especializados para o caso.

O paciente terá que se adaptar ao novo corpo, tendo que aprender todos os movimentos novamente, como andar, mexer as mãos e demais movimentos que o ser humano realiza. #Avanço na medicina #Medicina