A pílula do dia seguinte é composta por estrogênio e, segundo o #ginecologista Marco Aurélio Pinho de Oliveira, ela equivale a 10 anticoncepcionais e devido à alta dose de hormônio, sendo assim, é comum que muitas mulheres sintam os efeitos colaterais que a pílula pode causar.

Embora o uso seja comum, ainda há muitos mitos sobre o tema e, para desvendar esses mitos, os ginecologistas Marco Aurélio Pinho de Oliveira e Claudio Bonduki esclareceram algumas questões sobre o assunto.

A pílula pode causar deformidades no feto

Isto é mito. Claudio explica que o #Contraceptivo de emergência deve ser tomado dentro das 72 horas, pois depois desse período o efeito do medicamento pode não ser eficaz.

Publicidade
Publicidade

Já que o embrião ainda não está formado, ele não terá contato com a sangue da mãe, ou seja, se for tomado depois de 72 horas não irá provocar nenhum mal ao feto, mas também não evitará a gravidez.

A pílula evita qualquer risco

Bom, na verdade o único risco que a pílula pode evitar é o de uma gravidez indesejada, mas ela não substitui o uso da camisinha já que não previne contra as DSTs, além de causar inúmeros efeitos colaterais como por exemplo, vômito, dores de cabeça, sangramentos entre outros.

O contraceptivo de emergência aliado ao anticoncepcional potencializa os efeitos colaterais

Não há comprovação cientifica que isso de fato ocorra, mas há casos clínicos que comprovam esta ideia. Segundo Bonduki quando a pílula se alia ao anticoncepcional, a tendência é que os sintomas se intensifiquem devido à quantidade de hormônio que o corpo está recebendo

O medicamento pode ser abortivo

O ginecologista Marco Aurélio Pinho de Oliveira argumentou que se a pílula fosse abortiva a eficácia não reduziria com o passar do tempo.

Publicidade

Pedro Ernesto chefe do Ambulatório de Endometriose do Hospital Universitário explicou que o embrião só se aloja no útero após o terceiro dia de fertilização sendo assim se a pílula for tomada depois das 72 horas em questão não terá efeito no organismo.

O uso frequente pode diminuir o efeito do contraceptivo no organismo

Quanto maior a frequência do uso da pílula, menor será o efeito, por exemplo, quando o medicamento é ingerido pela primeira, vez as chances de engravidar são de 5%, na segunda vez as chances aumentam em mais 5%, o ginecologista Oliveira explica que o efeito não é cumulativo e isso acontece apenas se o uso for continuo. Caso você precise fazer uso do medicamento e depois de alguns meses for necessário usar novamente, a eficácia será a mesma da primeira vez.

A quantidade de hormônio pode causar danos ao útero e aos ovários

O composto de estrogênio não pode causar danos orgânicos à mulher nesse sentido, mas Bonduki esclarece que pode aumentar o risco de trombose vascular.

Publicidade

Quanto mais demorar para tomar a pílula do dia seguinte, maior o risco de engravidar

Isso é um fato. Mesmo tomando a pílula dentro das 72 horas ainda há o risco de 5% do medicamento falhar, após esse período o efeito do contraceptivo é quase nulo no organismo. Marco Aurélio ainda alerta que o aconselhável seria tomar o medicamento horas depois para garantir sua eficácia. #Saúde