Há muito tempo o homem busca compreender sua origem e como evoluiu para a condição de homem que conhecemos hoje: homem sapiens denominado “homem sábio’’.

Várias foram as descobertas que tentam decifrar a existência da vida. Mas nenhuma delas foi tão marcante na #Ciência como a descoberta da dupla hélice de DNA, o código genético da vida. Até então, não era sabido qual a principal ligação entre os seres vivos que habitavam a terra. Com a descoberta, a ciência deu um grande salto. O #DNA se tornou o percussor da vida, a fita que tinha um código encontrado em todos os seres humanos.

A ligação entre esses códigos permite a formação de um ser, algo que é muito complexo.

Publicidade
Publicidade

Nas várias divisões celulares para formar esse ser, contudo, erros podem ocorrer. Daí é que surgem as doenças genéticas e também as hereditárias, pois a dupla hélice de DNA é composta de genes que herdamos de nossos progenitores.

Agora, em pleno século XXI, cientistas americanos descobriram uma nova maneira de lidar com a complexidade do DNA e buscam mais uma vez decifrar a incógnita que gira em torno da fita da vida. Eles descobriram uma nova maneira de editar o DNA humano, o método Crispr-Cas9. Segundo os cientistas que realizaram o estudo, essa é até mesmo uma maneira mais barata de editar o DNA. Isso foi visto no meio cientifico como algo animador, pois o método poderá ser a solução para a cura de várias doenças genéticas como câncer, Alzheimer e a Aids.

Com esta descoberta, a ciência irá produzir seres humanos perfeitos?

A descoberta é polêmica, pois envolve as questões éticas que preservam a formação da vida.

Publicidade

Será possível formar um ser humano geneticamente modificado? Segundo os cientistas que comandam o estudo, isto será algo inevitável.

A técnica já foi implantada em embriões humanos, mas sem sucesso, já que eles morreram. A ideia é, então, implantar no embrião dentro do útero da mãe.

No entanto, tudo isso é um fato a se pensar, afinal, a busca da perfeição é algo obscuro. Existirá alguém perfeito? Há também a questão da escolha: será que um indivíduo que poderá passar por algo deste tipo iria concordar com isso, se pudesse emitir opinião? Tem também a questão dos transtornos psicológicos e sociais que este ser poderia passar.

Portanto, são muitas questões a se pensar a respeito do método Crispr-Cas9. Ele já foi utilizado em animais como cães, com o objetivo de torná-los musculosos; também foi usado em porcos resistentes, amendoim antialérgicos e em plantações de trigo para que ficassem resistentes a pragas. A descoberta poderá ser benéfica, mas traz bastante complexidade. #ética