Na última quinta-feira do mês de junho, em evento de #Tecnologia ocorrido em São Paulo, lançou-se ao conhecimento do público, um tipo de tecnologia que veio facilitar a coleta e a entrega de exames laboratoriais.

O equipamento tem o nome de “Hilab” e foi desenvolvido por uma “startup” do Paraná. Sua praticidade começa com o porte: é do tamanho aproximado de uma base de liquidificador. E portanto, ele pode ser transportado para qualquer lugar.

Também traz um benefício quanto à rapidez em dar diagnósticos, já que os seus criadores atestam que os exames biológicos (seja de urina, fezes, saliva ou de sangue)podem ficar prontos em até dez minutos.

Publicidade
Publicidade

Para os pacientes, uma das principais vantagens que o Hilab fornece é a de que não precisam se deslocar em direção a um laboratório de análises clínicas. Economizaria tempo, combustível e estacionamento.

Antes de lançarem o produto para os olhares da sociedade, o Hilab passou por um período de um mês a título de testes, com o objetivo de averiguar se ele realmente cumpria o papel ao qual foi projetado e designado.

Médicos interessados no equipamento podem adquiri-lo juntamente com as cápsulas de coleta e disponibilizá-lo em seu consultório, facilitando a realização de exames por parte de seus pacientes. Além de oferecer um custo mais baixo, o próprio médico pode fazer a leitura destes exames imediatamente, em contraponto com as técnicas e procedimentos adotados pelos laboratórios. Em geral, a realização do exame é feita em um dia e o resultado fica disponível noutro dia.

Publicidade

Sem contar que o interessado deve retornar ao consultório do médico requerente para emitir o parecer final.

Tudo o que Hilab exige é que seja feito um pequeno furo no dedo, dispensando a coleta de vários tubos de sangue. O material extraído é armazenado em um recipiente (a cápsula) que servirá de base para se fazer a leitura eletrônica do conteúdo.

O projeto nasceu promissor, pois os integrantes da “startup” anunciaram parceria com algumas empresas tecnológicas. A como a Intel e a Microsoft. Estas ofereceram suas plataformas de dados e computação em nuvem. Segundo os empresários brasileiros, com esse reforço, a expectativa é de que o Hilab conquiste o mercado mundial no futuro.

Como é uma #Inovação, a tendência é de que o custo do aparelho seja caro, certo? Não é bem assim. Seus criadores ressaltam que o médico não pagará pelo equipamento. O sistema de pagamento é baseado no resultado das análises clínicas realizadas. Isto é, as informações da coleta são enviadas por nuvem a profissionais qualificados da #Saúde. Uma vez conferidos, assina-se um laudo, o qual é devolvido ao médico. É neste trâmite que haverá a sustentação financeira da tecnologia.