Os efeitos sob os receptores dopamínicos devido ao uso de #maconha ja é conhecido de longa data, e seus possíveis "colaterais" vem se confirmando com estudos científicos recentes, artigos sobre o assunto vem preenchendo lacunas e deixando evidentes os efeitos ao usuário de maconha.

Pesquisadores da Imperial College London, evidenciaram em suas pesquisas nos últimos anos, que os efeitos sob o sistema dopaminérgico ocasionado pelo uso da maconha, que vem se mostrando precursor de depressão e ansiedade.

Estes efeitos sob o sistema de neurônios responsáveis pela captação de dopamina, ocorrem apos a inalação, que entra na corrente sanguínea chegando assim no cérebro, nesta etapa os canabinoides agem como estimulante "artificial" de dopamina, onde faz com que neurônios específicos recaptem dopamina, esta recaptação ocasiona em uma adaptação desta área cerebral que faz com que estes neurônios se tornem resistentes a novos estímulos.

Publicidade
Publicidade

Quando neurônios criam esta "resistência" eles naturalmente necessitam de uma dose maior de estímulo exógeno, nesta etapa a mesma quantidade de maconha não será suficiente para ocasionar o mesmo nível de prazer anterior, assim sob o organismo o que é evidenciado, é que o sistema orgânico se acostuma, e acaba se tornando preguiçoso e não produzindo mais naturalmente dopamina endógena, elevando os níveis de necessidade do indivíduo em buscar a fonte de produção dopamínica, devido a esta deficiência acabam não respondendo à estímulos naturais tendo consideravelmente atrofiado sua produção endógena.

Este efeito faz com que o individuo usuário desenvolva dependência química, o estriado (um dos núcleos bases do cérebro) dos usuários regulares mostrou-se com taxa muito menores em relação a não usuários.

Publicidade

O estriado é uma área cerebral responsável pelo sistema de motivação e recompensa, e também é um setor cerebral que é a área mais afetada por doenças como Alzheimer, demência e também epilepsia

A dopamina desempenha papéis essenciais no organismo, não só se restringindo ao prazer da recompensa, mas este neurotransmissor também controla:

- Fluxo de informações nos lobos frontais e em outras áreas do cérebro, distúrbios na produção ocasiona perda da capacidade cognitiva, e influenciando na capacidade do individuo de captar novas informações e de aprendizado.

- Controla a liberação de prolactina quando produzida com ausência de dopamina, é liberada continuamente, quando alcança níveis elevados podem levar ao aparecimento de mama nos homens (ginecomastia), impotência sexual, pois prejudica a produção de testosterona nos homens.

- Motivador natural, ela motiva o indivíduo a fazer tarefas do dia a dia, estimulando para lidar com desafios e obstáculos, devido ao reforço ocasionado com o sistema de recompensas de tarefas naturalmente gratificantes, distúrbios podem levar a desmotivação, depressão, ansiedade e procastinação. #drogas