O #Desenvolvimento do bebê, todas as transformações que começam ocorrer no corpo desde a sua primeira iniciação fora do útero da mãe, o mundo se formando no ponto de vista da criança, como se adequam a essa nova realidade, todos os processos e fenômenos psíquicos, sociais e biológicos acontecendo desde o nascimento, quando, por exemplo, a primeira respiração do lado de fora muda toda a sua vida, quando o fluxo de sangue muda para os pulmões, que antes era na placenta, fechando um buraco no seu coração.

Impactos assim marcam os primeiros momentos de dor e sofrimento à realidade vital. As informações a seguir são fruto das pesquisas e conclusões da ciência, coisas que outrora pareciam incógnitas.

Publicidade
Publicidade

Nossos primeiros instintos como procurar o rosto humano, em especial o da mãe, como também ser capaz de imitar gestos ou procurar alimento para saciar a sua fome, são cruciais para a nossa maturação tanto biológica como psicológica.

Dando vazão a esses instintos, reflexos e necessidades que nos construímos. São necessidades diferentes, assim como o choro, uma das formas mais eficientes e que serve como comunicação com o mundo no início da vida, em torno de suas exigências.

A anatomia peculiar do seu sistema respiratório permite uma habilidade incrível, fazem dos bebês nadadores natos, sentindo-se confortáveis e felizes embaixo d’agua, pelo reflexo que eles têm, os fazem parar de respirar, pois o aparelho vocal faz com que abram bem a boca, sem que a agua entre para os pulmões e estômago.

Publicidade

Mais uma vez o instinto fazendo seus membros o impulsionar a nadar. Para os cientistas, essa habilidade se dar por um reflexo do nosso passado evolutivo ou pelo tempo que passamos “nadando” no líquido amniótico da bolsa.

Não é novidade que os bebês dormem muito nos primeiros meses de vida, cerca de 16 horas, isso porque o seu cérebro precisa processar todas as informações apreendidas durante o dia. Por isso, eles sonham duas vezes a mais que o adulto, pois seus cérebros estão longe de estarem inativos.

Com tudo isso pode-se pensar que eles têm sono pesado, mas não. Cientistas descobriram que os bebês podem ouvir e até absorver o humor das pessoas ao seu redor durante o sono.

Obtendo a incapacidade de diferenciar quando está de noite ou de dia, hora de dormir ou hora de acordar, não é culpa deles, pois com todo esse bombardeio de informações, estímulos por todos os lados, o sono é crucial para o cérebro lidar com todas essas descobertas, pois a cada descoberta o cérebro estará mudando fisicamente.

Publicidade

Todas as memórias que são adquiridas em cada dia, e no sono, as memórias de curto prazo são levadas para um campo enorme chamado de memórias de longo prazo (MLP), o momento em que o conhecimento passa por uma super-aprendizagem, e um aprendizado quando é bem elevado, fácil de ser lembrado para uma memorização posterior, quando um ou mais estímulos são selecionados, e para ser selecionados precisa de nossa atenção – a atenção que selecionamos e que faz parte desse processo de aprendizagem.

Essas memórias podendo durar muito tempo como também, se não houver uma repetição e prática do conhecimento, podem ser levadas para o lugar do esquecimento.

Observam tudo o que acontece e a partir dos estímulos externos, geram uma resposta emocional pertinente. As emoções são nossa própria vida, expressões de nossas percepções internas, as sensações que ocorrem de estímulos geralmente externos.

Depois de aprenderem a se comunicar pelo choro, eles descobrem outra forma de se expressar, o sorriso. Eles sorriem cerca de 300 vezes num só dia. Expressam afeto, alegria, medo e raiva pelas descobertas do dia a dia.

Através da bagunça, os bebês aprendem mais sobre as formas líquidas e solidas e sobre o que é bom para brincar ou comer. Para Piaget o brincar é um fator de grande importância para o desenvolvimento cognitivo. O conhecimento não deriva apenas de representações de fatores e processos externos, mas de intensas interações com o meio ambiente.

É através da assimilação e acomodação que a criança transforma a realidade em aprendizado, incorporam o mundo a sua maneira sem nenhum compromisso com o a realidade externa. Na psicanálise, como Freud e alguns de seus seguidores, como Melanie Klein, afirmam que o brincar é uma forma de aliviar e externar experiências dolorosas e traumáticas. É no criar fantasias inconscientes para atender certas privações de um meio precário.

Neste sentido, o brincar é a parte mais interativa, ativa e crucial no processo de desenvolvimento, uma vez que a criança aprende, apreende o mundo através dessas interações.

É através dessas primeiras experiências, dos nossos processos de identificações, das nossas relações primitivas, como, por exemplo, na relação mãe-bebê, repercutirá nas nossas futuras relações, no nosso modo de ver e existir no mundo, na nossa construção de identidade e como pessoa.

O processo de desenvolvimento, amadurecimento, circunstâncias biológicas e crescimento emocional, psicológico, cognitivo e afetivo do ser humano, pela relação do meio, dos pais, do brincar, da atenção para um processo de aprendizagem, a comunicação e linguagem dos bebês, os instintos e necessidades, a importância das nossas emoções para a nossa construção enquanto pessoa.

Importante saber como certos fatores são cruciais para uma boa retenção das memórias e experiências adquiridas em nosso dia a dia, pois estamos sempre em constante desenvolvimento e evolução. #Infantil #psicologia