Apesar de toda a educação sexual experienciada nos últimos anos, e da transposição de tabus em relação ao sexo, infelizmente ainda é alto o número de parceiros que não tomam as devidas precauções de segurança na hora do ato íntimo. E é justamente essa uma das causas que contribuíram para a disseminação de uma superbactéria que transmite a #Gonorreia, tornando-a extremamente difícil ou até mesmo impossível de ser tratada.

Foi exatamente nesse sentido um alerta emitido hoje, 7 de julho, pela Organização Mundial da Saúde - OMS. Segundo a entidade, a prática do sexo oral sem o uso de preservativo está ajudando a disseminar, de forma epidêmica, uma bactéria extremamente perigosa e que já está tornando os antibióticos ineficientes para combatê-la.

Publicidade
Publicidade

Conforme dados levantados pelo órgão, aproximadente 78 milhões de pessoas são contaminadas a cada ano pela DST - Doença Sexualmente Transmissível - em questão.

Em 77 países, a gonorreia já apresenta-se com o que os especialistas chamaram de "resistência generalizada" contra os antibióticos. Em três deles - Japão, França e Espanha - a doença mostrou-se incurável. Nem mesmo os antibióticos maís modernos foram eficazes para combatê-la.

Segundo a OMS, a questão é grave e potencialmente epidêmica, uma vez que a prática das relações sem o uso de camisinha, o difícil diagnóstico e a infecção mal tratada contribuem para a disseminação da doença.

Além disso, a indústria farmacêutica tem investido muito pouco nos últimos anos em drogas capazes de combater essa doença, por isso, os novos remédios que chegam ao mercado são escassos.

Publicidade

De acordo com as informações, em 97% dos países analisados, a bactéria mostrou-se resistente ao Ciproflaxacin, medicamento mais comum usado para combater a doença. Hoje, apenas o ESC é considerado como eficiente.

Os sintomas da gonorreia incluem uma secreção verde ou amarelada nos órgãos genitais, dor ao urinar e sangramentos. Entretanto, há dados que afirmam que 1 a cada 10 homens heterossexuais, e mais de 3/4 das mulheres e de homens gays não apresentam sintomas aparentes.

Essa DST pode acometer principalmente as partes íntimas e a garganta, sendo esta última a que desperta mais preocupações. De acordo com a doutora Teodora Wi, uma pessoa que está infectada com gonorreia na garganta e usa antibióticos para tratar uma simples dor de garganta, acaba favorecendo a resistência da bactéria Neisseria gonorrhoeae, causadora da enfermidade.

As complicações em decorrência da gonorreia prejudicam mais as mulheres. Doença pélvica inflamatória, gravidez ectópica, quando o embrião se desenvolve fora do útero, e infertilidade são algumas das sequelas deixadas pela doença. #Doenças #Ameaça