Publicidade
Publicidade

Mesmo com os avanços no tratamento do HIV, ainda não existe uma cura definitiva. Os avanços da medicina têm permitido uma vida de qualidade aos portadores da doença, mas ela ainda assusta e gera muitos preconceitos nas pessoas, seja por falta de informação ou por desconhecimentos básicos sobre a doença.

O HIV continua crescendo pelo mundo, mesmo com todo esforço de conscientização para o uso de preservativos nas relações sexuais. Então, pesquisadores americanos estudaram uma forma de tratamento que fizesse a proteção das pessoas que não gostam ou preferem não usar camisinha nas relações sexuais. A ideia desse tratamento é evitar que pessoas que não têm o vírus se infectem com ele e com isso derrubar o número de pessoas infectadas.

Publicidade

A PrEP (#Profilaxia Pré-exposição) é uma forma de blindar o organismo do vírus HIV através da utilização de um medicamento antirretroviral por pessoas que não foram infectadas pelo vírus e com isso evitar a sua disseminação através de relações sexuais desprotegidas. O medicamento chamado de #Truvada bloqueia o ciclo de multiplicação do HIV dentro do organismo humano e impede que HIV consiga se fixar no corpo do hospedeiro.

Atualmente, as duas formas de usar a PrEP são:

  • Uso oral: através de um comprimido;
  • Uso tópico: em forma de gel aplicado na pele.

Segundo os dados inicias dos ensaios clínicos realizados nos Estados Unidos, o PrEP oral tem se mostrado uma forma muito eficiente de prevenir a contaminação do HIV, principalmente nos grupos considerados de risco.

O tratamento oral do PrEP oral se mostrou eficiente no combate ao vírus nos grupos de risco, que são os homens que fazem sexo com homens (HSH) e heterossexuais.

Publicidade

O grupo que participa dos estudo clínico mostrou-se protegida contra o vírus após testes feitos (mensais e trimestrais) após relações sexuais sem proteção com pessoas que foram identificadas como portadoras do HIV.

No Brasil, a FioCruz vem estudando essa forma de tratamento com um grupo de pessoas voluntárias. Inicialmente foram selecionadas para o estudo clínico as pessoas que fazem parte do grupo de risco, pois elas têm maiores chances de se infectar com HIV, mas a ideia é colocar esse tratamento disponível para todas as pessoas através do SUS (Sistema Único de Saúde). Para que PrEP possa ser disponibilizado para todos é preciso que sejam feitos mais estudos.

Mesmo com essa nova forma de tratamento é importante lembrar que ainda é um tratamento em estudo e que o HIV ainda não tem cura. A camisinha ainda é o melhor recurso para evitar se contaminar com o vírus.

Veja o vídeo sobre o estudo da FioCruz:

#HIV AIDS LGBT HSH Grupo de Risco