Cientistas fazem avanços notáveis, que parecem saídos de um filme de ficção científica e, agora, o transplante de órgãos de animais para humanos está mais próximo da realidade.

Os experimentos foram recentemente relatados pela revista Science, que é uma das duas revistas científicas acadêmicas mais conceituadas do mundo, e podem permitir que, no futuro, seja possível transplantar órgãos como fígado e coração, entre outros, de porcos para seres humanos. Essa possibilidade já havia sido descartada por especialistas, mas aparentemente se torna novamente possível.

Problema das filas de transplante

No ano de 2016, houve 2.983 transplantes de órgãos no Brasil.

Publicidade
Publicidade

O número é um recorde e, além disso, representa uma alta de 5% em relação ao ano de 2015. Mas, mesmo assim, a lista de espera é muito grande. A diferença entre demanda e fornecimento é órgãos é enorme.

O geneticista Dr. George Church, que liderou os experimentos em Harvard, afirma que talvez seja possível que os primeiros transplantes de órgãos ocorram dentro de apenas dois anos.

A nova pesquisa combina dois grandes feitos da #Ciência recente na área da Engenharia Genética: Edição de Genoma e Clonagem.

A “Edição de Genoma” é uma técnica onde o DNA é inserido, removido ou até substituído de um “Genoma”, que é, basicamente, toda a informação genética e hereditária de um determinado organismo específico. Tudo é codificado no DNA, que mais parece um programa de computador super avançado, com toda a informação da vida.

Publicidade

Para isso são usadas enzimas capazes de romper as ligações entre os nucleotídeos, chamadas de nucleases. Essas nucleases também são manipuladas e modificadas geneticamente. Isso tudo acontece através do processo de “Tesoura Molecular”. Parece complicado? É, porque é.

Apesar de avançar rapidamente, a pesquisa ainda é nova e o resultado é imprevisível, mas a ideia de usar porcos como verdadeiras fábricas de órgãos existe há décadas. Os órgãos dos porcos possuem o tamanho correto para serem utilizados em humanos, e, teoricamente, são suficientemente semelhantes para funcionar perfeitamente em humanos.

E os direitos dos animais?

Mas, nem tudo são rosas, pois questões acerca dos direitos dos animais também devem ser levadas em consideração. 10,57 milhões de porcos foram abatidos para consumo humano no Brasil, e somente no terceiro trimestre, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Os especialistas, porém, argumentam que apenas alguns milhares de porcos seriam cultivados para esta finalidade, o que representaria uma pequena fração do total de porcos abatidos pela indústria alimentícia.

Publicidade

Não haveria maus tratos e os animais seriam anestesiados e mortos, sem nenhum tipo de crueldade. Também é necessário relembrar que o objetivo é salvar vidas humanas.

Embora possa causar certa estranheza para alguns, válvulas cardíacas de porcos, após passar por um delicado tratamento, são transplantadas em pacientes há muito tempo e em vários hospitais do mundo.

Os especialistas já conseguiram transplantar corações e rins de porcos em primatas com sucesso e, até agora, os animais viveram mais de um ano sem apresentar nenhum tipo de problema que pudesse vir a ser decorrente dessas operações. Também já foram feitos procedimentos onde células produtoras de insulina, provenientes de suínos, foram transplantadas em macacos diabéticos, que viveram por um ano sem nenhuma necessidade de insulina do meio externo.

Alguns pacientes acham a ideia desagradável, mas só nos EUA cerca de 22 pessoas morrem por dia à espera de um transplante. Se fosse possível ajudá-las com um órgão de porco, seria a realização de um sonho. #animal #Medicina