Publicidade
Publicidade

Esta é uma das doenças sexualmente transmissíveis que pode ficar incubada, em silêncio por até 6 meses. A #Hepatite B pode chegar a matar até 15% dos infectados. Uma das formas de hepatite mais graves, e que precisa ser prevenida e tratada o quanto antes, para que dessa forma se evite a propagação deste mal.

Justamente para alertar a população desta e das das outras variações da doença, no último dia 28 de julho, na data em instituída pela OMS como o Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais, em todo o país, os profissionais da #Saúde se dedicaram a falar do combate à hepatite. Uma doença que pode matar.

De acordo com um levantamento da OMS, aproximadamente 1,4 milhão de pessoas morrem no mundo todos os anos em decorrência de hepatites virais.

Publicidade

Por isso, o 'Julho Amarelo' ficou marcado pelo Ministério da Saúde (MS), por meio do DIAHV (Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais) e da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) como um período para conscientizar sobre a necessidade de investigar o sangue e tratar a doença.

O que é a hepatite B?

A hepatite B é uma doença causada pelo vírus HBV e também chamada pelos médicos de doença soro-homóloga. O VHB está presente no sangue, esperma e leite materno e, dessa forma, pode ser transmitida por diversas vias: sexo desprotegido, gestação e amamentação.

Na maioria dos casos, a infecção é assintomática, mas alguns sinais podem denunciar o vírus no corpo, tais como cansaço, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, peles e olhos amarelados, urina escura e fezes esbranquiçadas.

Publicidade

Os sinais da doença podem surgir após seis meses da infecção.

De acordo com o Ministério da Saúde, a cura do VHB é de quase 100% (90 a 95%) quando identificado. Uma média de 5 a 10% dos pacientes permanecem com o vírus por mais seis meses no corpo e, se manifestado novamente, poderá ser na forma crônica.

Jovens e adultos podem ter hepatite e não saber

Segundo a média hepatologista do Hospital Nove de Julho de São Paulo, Marta Deguti, é importante que os jovens acima dos 15 anos que têm vida sexualmente ativa se vacinem contra a hepatite. A doença pode ser adquirida pela relação sexual sem proteção e pode não se manifestar ao longo dos anos, causando lesões no fígado. Estes danos podem causar cirrose, uma doença que mata.

Fazer exames de sangue regulares é uma boa forma de encontrar o problema no corpo do paciente. Outros testes mostram a fase e a gravidade da doença.

"Os jovens entre 15 e 18 anos e adultos na faixa dos 30 e 40 anos de idade devem ter um cuidado muito grande e praticar a atividade sexual sempre de forma protegida", alerta a especialista.