Publicidade
Publicidade

A maioria das mulheres não tem ideia, mas quando surgem sintomas repentinos em sua parte íntima na hora de ter uma relação sexual pode ser indício de algum problema sério. Contudo, há solução. Basta procurar um especialista da área ginecológica.

É bastante natural o gênero feminino passar por essas situações. #mulheres chegam a ouvir do companheiro que devem ficar calmas e, em outros casos, podem até ouvir que não passa de uma simples frescura. Apesar de todas estas opiniões, o quadro clínico pode acontecer e já existe um tratamento específico que leva à cura.

Apesar de muitas mulheres não saberem, o conjunto dos sintomas é chamado de “#Vaginismo” e é este o grande causador do desconforto ao ter relações íntimas.

Publicidade

Muitas vezes, as dores na região íntima são tão intensas, que a mulher precisa interromper a relação sexual.

De acordo com pesquisas, uma média de 3% a 5% do gênero feminino sofre de vaginismo. O grande causador dessa doença, de acordo com a sexóloga Carolina Ambrogini, geralmente, está ligado a alguns problemas emocionais. Segundo Carolina, isso acontece mais frequentemente em mulheres que foram criadas em um mundo mais religioso e rígido. Ela ainda finalizou a conversa afirmando que mulheres que sofrem qualquer tipo de abuso tendem a desenvolver vários distúrbios, principalmente o vaginismo.

Na maioria das vezes, em algumas mulheres que têm esse distúrbio, as musculaturas da região íntima acabam se fechando de uma forma intensa, impedindo que elas pratiquem relações íntimas com seus parceiros.

Publicidade

Isso pode ocorrer de uma maneira inesperada e é uma reação que acaba acontecendo de forma involuntária.

A sexóloga, que também faz parte da Coordenação do Centro de Apoio e Tratamento do Vaginismo (CATVA), localizado na cidade de São Paulo, afirmou que, apesar de haver muitos especialistas de altos níveis de capacitação, apenas um ginecologista será capaz de resolver esse problema que ataca as mulheres.

Carolina ainda esclareceu que a recuperação de cada mulher depende do grau do distúrbio e, nesses casos, apenas um ginecologista especializado poderá saber qual o melhor e mais adequado tratamento para a mulher.

Tratamento gratuito

As mulheres que sofrem pelo distúrbio do vaginismo terão acompanhamentos médicos gratuitos, que serão realizados na Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Para que a mulher possa ter acesso a esses acompanhamentos, é fundamental que ligue com antecedência para agendar data e horário. Após esse passo, será encaminhada para sua consulta com um ginecologista capacitado.

Lembre-se de deixar o seu comentário. Sua opinião é muito importante e nos ajuda a debater temas de relevância para a nossa sociedade. #saúde íntima