A #depressão, que favorece sobremaneira a prática de suicídio [VIDEO], é um mal gravíssimo e que está muito mais perto de do que se imagina. Não ter consciência disso é o que mais contribui para a intensificação do problema, embora o preconceito relacionado à saúde mental no Brasil também seja imperioso.

Nesse sentido, é de grande urgência entender melhor sobre o assunto, ainda mais porque a depressão pode atingir e até matar, se não for tratada, qualquer um, seja um familiar ou amigos. É bem provável que já haja pessoas próximas que convivem com a doença e se desconhecem o fato. É a triste verdade.

Mas antes de saber como ajudar pessoas deprimidas, é necessário conhecer os sintomas da doença.

Publicidade
Publicidade

Vejamos alguns:

Veja os 30 sintomas de depressão

  • Angústia, desespero
  • #Ansiedade
    • Nem toda pessoa com ansiedade tem depressão, mas possivelmente uma pessoa deprimida também sofre de ansiedade.
  • Apatia por atividades que antes considerava prazerosas
  • Autodepreciação, autoagressão psicológica, verbal ou física, automutilação. Nesses casos, o depressivo acredita que é preferível sentir a dor física do que a dor mental.
  • Baixa autoestima
    • Como o próprio nome sugere, a depressão deixa a pessoa para baixo, não permitindo que perceba suas qualidades. Pelo contrário, passa a colocar uma lente de aumento nas características negativas, que todos têm e fazem parte do ser humano. Com isso, um deprimido acredita que não há nada de positivo em si mesmo, é até comum que ele tenha qualidades raras, mas infelizmente não enxerga isso.
  • Cansaço fácil, morosidade, falta de energia
    • É comum que esses sintomas sejam confundidos com preguiça, mas, diferente desta, um depressivo quer realizar suas tarefascom rapidez ou ao menos em ritmo normal. Porém, não consegue, já que faz pausas devido o cansaço constante.
  • Crenças deturpadas e pessimistas em relação a si e ao mundo circundante.
    • Um indivíduo com depressão acredita que tudo conspira contra ele. Nutre pensamentos incoerentes com a realidade com alto grau de pessimismo.
  • Crises constantes de choro
    • Em alguns casos de depressão, o choro, que era algo que não ocorria com tanta frequência, passa a fazer parte da vida diária. Não se trata de um momento comum de vontade de chorar e desabafar, e sim de situações intensas e constantes em que a pessoa chora, chora e chora. Ainda assim, a tal necessidade não passa, sendo, por vezes, involuntária e incontrolável.
  • Desânimo
  • Desesperança e expectativa de derrota ou inexistência futura
  • Dificuldade de concentração
    • Quadros depressivos também impedem que portadores da doença tenham muita dificuldade de memorizar ou se concentrar em coisas aparentemente simples. Desatenção e distração fácil podem ser indícios do problema.
  • Diminuição do desejo sexual
  • Dores de barriga, má digestão, azia, flatulência, diarreia, dores de cabeça e outros sintomas aparentemente sem qualquer justificativa médica ou que não respondem a nenhum tratamento.
  • Falta de sentido na vida
  • Indecisão
    • Indivíduos deprimidos recorrem frequentemente ao cônjuge e a outros para que os auxiliem a tomar decisões simples e particulares, qual a melhor peça de roupa, comprar isso ou aquilo, saber qual prato deve ser preparado, ir não ir, entre outras escolhas que lhes são bem difíceis de ser tomadas.
  • Inexpressividade de emoções e sentimentos, aparente indiferença a questões diversas.
    • Um comportamento que afeta os relacionamentos de depressivos é a ausência de qualquer reação – alegria por uma conquista de um familiar ou amigo, tristeza por algo muito ruim que ocorreu com alguém próximo, interesse pelos assuntos abordados pelos colegas de trabalho ou por amigos próximos, por exemplo – diante das pessoas e circunstâncias ao seu redor.
  • Inibição
    • Este sintoma faz com que o deprimido evite situações de exposição ao público, não exponha suas opiniões e preferências no meio social ou pessoal, não procure sanar dúvidas no ambiente estudantil ou profissional, e até deixe de ligar para desconhecidos, por exemplo.
    • Então, não se trata de timidez, visto que seres tímidos executam tarefas que necessitam de certa exposição e tal característica não causa grandes prejuízos em sua vida. A inibição afeta negativamente o cotidiano profissional e pessoal, portanto, é considerado patológico.
  • Insegurança
    • Dificilmente alguém que sofre com a doença demonstra segurança em suas ações ou se sente confiante com aquilo que é ou faz.
  • Irritabilidade
  • Isolamento
  • Medo
  • Pensamentos de morte
    • Diante de tantos sintomas nocivos, chega um momento em que a esperança na vida de uma pessoa deprimida acaba e ela passa a pensar na possibilidade de morte, não necessariamente quer ou planeja o suicídio. Todavia, considera a morte bem-vinda.
  • Perda ou aumento de apetite
  • Pessimismo
  • Sentimento de culpa
  • Sentimento de fracasso, de incapacidade ou inutilidade
  • Sentimento de vazio interior, existencial
  • Sono constante ou insônia
    • Indivíduos depressivos preferem dormir para evitar os constantes pensamentos negativos. Já outros são tão ansiosos e pensam tanto coisas ruins a respeito de si e do mundo que não conseguem dormir adequadamente.
  • Tristeza
    • Sabe-se que todos vivenciam situações tristes. No entanto, quem sofre de depressão apresenta quadros de #tristeza profunda, não passageira e por vezes sem motivo aparente ou grave.
  • Visão distorcida da realidade, com ênfase nas circunstâncias negativas (tom cinzento)

Se você nota alguns desses sinais em si mesmo ou em outros indivíduos, saiba que é bastante necessário procurar diagnóstico e ajuda profissional, visto que algumas doenças possuem sintomas bem semelhantes.

Publicidade

Basicamente, para quem ainda desconhece a diferença, psiquiatras diagnosticam e prescrevem medicamentos, tratando mais no âmbito fisiológico, e psicólogos atuam com psicoterapia, observando os comportamentos a fim de compreendê-los evitá-los.

Esse é um assunto sério e que interessa a todos! Compartilhe!