Publicidade
Publicidade
2

Fato é que ninguém está isento de passar por situações ruins e bem complicadas, dificuldades surgem na vida de todos os indivíduos, entretanto, a forma como reagem a elas pode ser bem diferente, positiva ou negativa. É nessa realidade que as pessoas tendem a desenvolver a depressão, a qual afeta uma significativa parte da população mundial e não escolhe nome, idade ou classe social, nem religiosidade ou fé.

Vale ressaltar que a doença pode ser ocasionada por fatores diversos, alguns deles são: deficiências em substâncias como serotonina, noradrenalina e dopamina, que atuam como neurotransmissores; perda de pessoas ou coisas muito apreciadas e queridas; situações violentas e traumáticas; hábitos não saudáveis como o consumo de álcool e outras drogas, trabalho excessivo, entre outros.

Publicidade

A quantidade de pessoas depressivas vem aumentando em todo o mundo. Os dados sobre a doença são alarmantes:

“O número de pessoas que vivem com #depressão aumentou 18% entre 2005 e 2015. É o que aponta um novo relatório global lançado nesta quinta-feira (23) pela Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, a depressão atinge 11,5 milhões de pessoas (5,8% da população), enquanto distúrbios relacionados à ansiedade afetam mais de 18,6 milhões de brasileiros (9,3% da população). O relatório ‘Depressão e outros distúrbios mentais comuns: estimativas globais de saúde’ aponta que 322 milhões de pessoas em todo o mundo vivem com este transtorno mental, a maioria mulheres. A cada ano, os baixos níveis de informação e a falta de acesso a tratamentos para depressão e ansiedade levam a uma perda econômica global estimada em mais de um trilhão de dólares. O estigma associado a esses transtornos mentais também permanece elevado”.

Através desses dados da ONU e da OMS, percebe-se o quão importante é saber como dar auxílio a alguém que esteja experienciando um momento depressivo, que apesar de ser muito desagradável, também é tratável.

Publicidade

O #Tratamento envolve medicamentos e mudanças psicológicas e comportamentais, o que requer avaliação profissional especializada.

Dez fatores imprescindíveis para lidar com a depressão

  1. Refúgio espiritual - procurar ajuda divina, orar, louvar através de cânticos, adorar, ler a bíblia são ações que fortalecem a psique e aliviam os problemas. A maior parte dos profissionais e cientistas da mente e do comportamento reconhecem a importância dessas práticas.
  2. Comunicação – verbalizar e compartilhar momentos ruins, e também os bons, com amigos ou familiares próximos é fundamental. Todos sabem que o homem é um ser que necessita de socialização, portanto, é significativo aceitar que todos precisam uns dos outros (gente precisa de gente), desse modo, conversar pessoalmente com seres agradáveis e queridos, evitar ficar muito tempo sozinho, propiciam a manifestação de apoio e afeto de que necessitam os indivíduos depressivos.
  3. Atendimento especializado - buscar orientação psiquiátrica e acompanhamento psicológico é indispensável no diagnóstico e no tratamento da depressão. É relevante, conforme as condições de cada paciente, escolher os melhores profissionais, os mais qualificados, pois isso faz toda a diferença.
  4. Atividade física ou prática de esportes específicos – exercitar-se, como é de conhecimento geral, é um hábito que propicia inúmeros benefícios à saúde ligados à concentração, à respiração, à performance sexual, ao sono, ao relaxamento, possibilita maior disposição e favorece uma melhor qualidade de vida. Portanto, contribui diretamente para a melhora dos quadros depressivos, é fundamental realizar seja qual for a modalidade: caminhada, malhação, ciclismo, natação, vôlei ou futebol.
  5. Arte – apreciar, contemplar e fazer alguma atividade artística: desenho, pintura, artesanato, dança, teatro, música, pois é uma distração positiva, estimula a criatividade,
  6. Alimentação saudável – consumir alimentos saudáveis resulta nos mesmos benefícios da prática de atividade física e em muitos outros. Além do que foi mencionado acima, há alimentos que agem diretamente no humor e noutros sinais da depressão, especialmente os que são ricos em cálcio, magnésio, vitaminas C e do complexo B, como, por exemplo, leite, banana, melancia, laranja; recomenda-se orientação nutricional médica.
  7. Lazer - realizar atividades relaxantes, prazer, elevem a autoestima: ler, escrever, cantar, arrumar-se, massagens, fotografar, namorar, ir ao cinema, ajudar alguém, passear ao ar livre, visitar familiares, brincar com crianças, ter animais de estimação, conhecer outros lugares, experimentar fazer e aprender coisas novas.
  8. Esperança e paciência – O deprimido deve acreditar que fazendo o que é recomendável será possível ter uma ótima qualidade de vida, e esperar pacientemente o tempo de tratamento que, em geral, é de médio ou longo prazo também é fator determinante para uma melhora.
  9. Positividade – Descobrir e afastar-se do que propicia sentimentos negativos, seja lugares, pessoas pessimistas, cobranças extremas, notícias ruins, são ações que favorecem uma boa energia aos indivíduos deprimidos; e atitudes como focar nas situações positivas, proclamar palavras edificantes e otimistas, agradecer, perdoar, não guardar mágoas e ressentimentos, cultivar o amor próprio podem transformar intensamente a qualidade de vida de quem sofre ou não com a depressão.
  10. Aceitação – Certamente não é fácil receber um diagnóstico de depressão, contudo, o mais aconselhável é aceitá-lo e, a partir disso, tratar a doença. Não se importar com o preconceito, ao contrário, importar-se com a própria saúde, preservá-la, são atitudes que podem facilitar o tratamento.

O diagnóstico de depressão requer ações urgentes, desse modo, é importante compartilhar esse conteúdo com o máximo de pessoas possíveis, certamente será de grande valia para alguém.

Publicidade

#psicologia