Publicidade
Publicidade

Um homem francês de 35 anos de idade, que vive em estado vegetativo há 15 anos, começou a mostrar sinais de consciência depois de receber um implante com o objetivo de fazer a estimulação do sistema nervoso. O paciente foi diagnosticado com graves danos cerebrais e coma profundo após ter sofrido um acidente de carro em 2001.

Com o tratamento experimental, ele teria derramado algumas lágrimas, aberto os olhos e mexido a cabeça. O experimento, que tem sido considerado revolucionário, foi feito na cidade francesa de Lyon, mas só teve seu resultado divulgado nessa segunda-feira (25), na publicação científica "Current Biology".

Publicidade

O caso contradiz a medicina tradicional, que diz que quando um paciente entra em #estado vegetativo e permanece após um ano com o quadro inalterado, não há chances em retomar a consciência.

Como o experimento foi feito

Os cientistas implantaram no paciente estimuladores com o objetivo de fazer a estimulação do nervo vago (ENV). Este nervo faz a ligação do cérebro com quase todos os órgãos tidos como vitais para o funcionamento dos sistemas do corpo.

Por um tempo, todos os dias e noites o homem foi submetido a estímulos de 30 hertz em sessões de 30 segundos, seguidos de 5 minutos de descanso, a partir de um aparelho gerador de impulsos elétricos implantado sob a clavícula. A intensidade dos estímulos foi sendo aumentada de forma progressiva conforme o avanço do tratamento.

Segundo as conclusões do estudo, o nervo vago pode ser de extrema ajuda no que diz respeito à restauração da consciência de pessoas que estão há muitos anos em coma.

Publicidade

Este é certamente um grande avanço na ciência e na medicina.

Angela Sirigu, do Instituto de Ciências Cognitivas Marc Jeannerod, uma das autoras da pesquisa, afirma que o experimento é a comprovação de que a estimulação no nervo vago faz com que seja possível melhorar a presença do paciente no mundo, fazendo com que ele recobre níveis de consciência.

Após o implante dos estimuladores, o francês demonstrou melhoras pequenas, mas que são tidas como um grande avanço, tendo em vista o seu estado. As melhoras estão relacionadas à atividade cerebral, movimento e percepção. Uma das provas do sucesso do feito é que o homem chegou a até mesmo abrir os olhos e movimentar a cabeça.

Cientistas pretendem dar continuidade aos estudos

Mesmo com os ótimos resultados apresentados, o experimento não fez com que o homem recobrasse seu estado de consciência original. Entretanto, fez com que algo considerado impossível ocorresse: os exames cerebrais feitos apontou que ele passou do estado vegetativo para um estado de consciência mínima.

Contudo, os cientistas planejam, em cima desse experimento inicial, aprofundar o estudo para confirmar e ampliar o potencial do nervo vago para a o tratamento de pacientes com danos cerebrais graves. #avanço da ciência #Saúde