Recentes pesquisas têm demonstrado que os homens de #Neandertal tinham um cérebro ligeiramente maior do que o do homem moderno. No entanto, uma análise feita com um esqueleto de 49 mil anos atrás sugere que cérebro Neandertal crescia mais lentamente até a maturidade do que normalmente ocorre com os do Homo sapiens.

A pesquisa foi realizada por Antonio Rosa, um paleoantropólogo do Museu Nacional de Ciências Naturais de Madri, na Espanha, e publicada nesta quinta-feira (21) na Revista Science. O Dr. Rosas e sua equipe analisaram os restos de uma criança recuperada de um sistema de cavernas na Espanha, conhecida como El Sidrón.

Publicidade
Publicidade

Junto do esqueleto foram encontrados os restos de mais de uma dúzia de indivíduos, incluindo a mãe e o irmão mais novo da criança.

Através da análise da dentição do esqueleto foi possível estimar que a criança tinha menos de 8 anos quando morreu. O que chamou mais atenção dos pesquisadores foi que o crânio do menino era apenas 87,5% do tamanho de um crânio de um Neandertal adulto. Como comparação, as crianças humanas modernas com sete anos de idade já apresentam 95% do tamanho craniano de um adulto.

A equipe também descobriu que a criança não tinha várias vértebras fundidas. Em crianças humanas modernas essas vértebras já estão fundidas entre 4 e 6 anos de idade. Apesar dessa diferença no desenvolvimento do cérebro e da coluna vertebral, a criança Neandertal não era tão diferente de uma criança atual, principalmente nos cotovelos, pulsos, mãos e joelhos.

Publicidade

A análise dos ossos não apontou a possível causa do morte do menino Neandertal.

Cérebro Neandertal

Os ancestrais humanos tinham corpos maiores do que nós humanos temos hoje e, por isso, necessitavam de cérebros maiores para controlar esses corpos. Dessa forma, é natural que os neandertais precisavam de mais tecido neural para controlar seus músculos.

No entanto, cérebros maiores não indica necessariamente maior inteligência. O que importa é como ocorre a organização do cérebro. Nos neandertais, sua estrutura cerebral era mais dedicada à visão, em detrimento das funções sociais. Vivendo em latitudes mais altas, onde normalmente há pouca luz solar durante o inverno, era necessário que o cérebro Neandertal fosse dominado por um sistema mais avançado de processamento visual.

Estima-se que os Neandertais desapareceram da Terra há 30 mil anos. A extinção deles ainda não é totalmente esclarecida. Entre as hipóteses, estão a baixa mobilidade das suas populações, a pouca inteligência prática ou o longo tempo de gestação, o que explicaria uma maior dificuldade reprodutiva.

Também existem teorias que a competição com o Homo sapiens, sendo estes mais aptos, teria provocado a extinção dos neandertais. #Ciência