Nesta terça-feira, dia 7 de junho, foi divulgado pelo ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, qual será o plano para que o governo consiga arcar com as contas públicas e poder tirar o país de uma das mais graves crises econômico-financeira que já passamos. Em sua fala, o ministro alertou que terá que fazer cortes e reafirmou que a aprovação de reajustes para o funcionalismo público não vai prejudicar de forma alguma o ajuste fiscal. Porém, o chefe da pasta avisou que os concursos públicos para este ano não serão autorizados no âmbito federal e muito menos em 2017.

A notícia pegou alguns concurseiros desavisados de surpresa e está causando muita dor de cabeça em quem já vinha estudando para seleções futuras, inclusive para ministérios.

Publicidade
Publicidade

De acordo com Oliveira, o reajuste dos servidores não prejudicará no ajuste fiscal pois ele é abaixo da inflação, permitindo assim o desempenho da folha de pagamento de forma positiva.

"O que foi acordado foram reajustes satisfatórios de reposições da inflação, que seão aplicado só em agosto e já estavam previstos", falou ele para a imprensa.

Já sobre a paralisação de concursos públicos para os próximos anos, o ministro lamentou e disse que a Lei Orçamentária de Dilma Rouseff, que foi enviada no período em que a presidente estava no poder antes de ser investigada por crime de responsabilidade, limitava a realização de novas seleções e também para contratar mais profissionais.

"Os concursos abertos terão continuidade, é claro", afirmou o ministro.

Michel Temer, quando assumiu o poder interinamente avisou que isso ocorreria e que ele manteria em contrapeso os projetos sociais criados pelo governo do Partido dos Trabalhadores.

Publicidade

Parlamentares na cadeia?

Dyogo Oliveira falou ainda que os pedidos de prisões de parlamentares como o senador e ex-ministro do Planejamento Romero Jucá (RR), Renan Calheiros (AL), presidente do Congresso Nacional e do Senado, e Eduardo Cunha (RJ), presidente da Câmara afastado por corrupção, não irão afetas as medidas futuras que o governo deve tomar.

"Isso não afeta a agenda estrutural do governo. São eventos do terreno da suposição", pontuou o atual chefe do Planejamento. #Vagas #Edital #Empregos